SiUR Magazine Segunda Edição - Page 21

Uma ode à diplomacia e ao álcool

“Cinto” muito por quem não foi

Por Amanda Lira e Roberto Lima

glock, sem falar do queridinho dos ruralinos: o 150 pm. “Gostei muito da diversidade musical, pois foi do pop ao retrô. Contando com músicas mais recentes e até mesmo outras que marcaram diferentes épocas”, elogiou Cícero Hipólito, integrante do Comitê Internacional de Imprensa (CI).

Como todo evento sempre pode melhorar, delegados sugeriram que, nas próximas edições, mais funks populares sejam tocados, além de que seja dada atenção especial à temperatura da cerveja, para que esteja sempre gelada.

Mesmo assim, a quantidade de coreografias executadas, a clara perda de decoro - e até mesmo de um cinto- e a interação entre os presentes, dedicados em firmar relações internacionais, são exemplos que mostram o sucesso do evento.

Uma grande convenção entre os países das Nações Unidas aconteceu na última sexta-feira (19). Na Liga dos 100 Noção, festa da V SiUR, foram estabelecidas relações diplomáticas e fortes acordos de paz. O decoro e a formalidade foram deixados na porta e os delegados embarcaram com seus passaportes diplomáticos para uma louca viagem.

A Roleta das Nações proporcionou uma volta ao mundo saindo do Brasil, passando pela África do Sul, Suíça, Rússia e chegando até o Japão. Ao som da sirene diplomática, o diredrink, feito com um ingrediente secreto de Chernobyl, entrou em cena e, a partir daí, o caos se instalou.

Cada um curtiu da sua forma: os mais quietinhos preferiram ficar na paz; a galera do fitdance balançou o esqueleto do início ao fim; os esforçados se dedicaram muito em dar pt; os comunicativos deixaram as palavras de lado na hora de estabelecer fortes acordos bilaterais e, às vezes, multilaterais.

A playlist dos 100 Noção foi dos clássicos e hits recentes do pop até o sento no bico da glock, sem falar do queridinho dos ruralinos: o 150 bpm.

“Gostei muito da diversidade musical, pois foi do pop ao retrô. Contando com músicas mais recentes e até mesmo outras que marcaram diferentes épocas”, elogiou Cícero Hipólito, integrante do Comitê Internacional de Imprensa (CI).

Como todo evento sempre pode melhorar, delegados sugeriram que, nas próximas edições, mais funks populares sejam tocados, além de que seja dada atenção especial à temperatura da cerveja, para que esteja sempre gelada.

Mesmo assim, a quantidade de coreografias executadas, a clara perda de decoro - e até mesmo de um cinto- e a interação entre os presentes, dedicados em firmar relações internacionais, são exemplos que mostram o sucesso do evento.