Riscos que nos ameaçam PD50 - Page 197

urbanizando-se, democratizando-se (2017, p. 251). No entanto, a “revolução burguesa” brasileira “não foi orgânica, nem funcional”. O moderno não participou integralmente da modernização. Desse modo, um cidadão imperfeito se constituiu em meio à uma socie- dade imersa a um novo processo revolucionário, onde a velocidade, a tecnologia, o mundo em conexão, a nova amplitude do mercado no cotidiano e a porosidade das fronteiras globalizadas produzem um cenário de fragmentação social, de movimentação incessante, de mudança ininterrupta, de incerteza e confusão (NOGUEIRA, 2017, p. 255). Diante desse quadro, o Estado já não mais consegue suprir as demandas de quem o sustenta. Resta-nos: [...] descobrir um meio de fazer com que as novas disposições sociais produzam vida coletiva de melhor qualidade e sirvam de base para a instituição de um novo Estado. Hoje, a indivi- dualização está “institucionalizada”: impôs-se a todos. É um processo objetivo, que afirma o indivíduo diante dos grupos, que implica escolhas individuais incessantes, que gera muitas dúvidas e poucas convicções. Não se confunde, porém, com individualismo ou egocentrismo mesquinho. Os indivíduos individualizados são capazes de cooperação voluntária e de entrega coletiva. Podem se mobilizar e agir politicamente, mesmo que por fora de partidos e da arena política estrita. (NOGUEIRA, 2017, p. 258). Em outro instigante texto, o sociólogo José de Souza Martins procura identificar a trajetória da sociedade brasileira em sua travessia na modernidade. Em um sentido próximo daquele perce- bido por outros intelectuais acerca das últimas grandes manifes- tações sociais brasileiras, Souza Martins pondera o seguinte: “o brasileiro que silencia na incerteza das urnas mas grita e berra no protesto difuso e emocional das ruas, do querer indefinido, do saber sem sabedoria” (2017, p. M K[H[YZ\H^\[\B[H[Y܈X\X[\Kݛ\[Z\Y[HH[H8'X\[™H[\^\'H]X[H\KXH\HܛXYܘK]YB'H\\[HH[YH\[[Y['K[H^\Z\[Y[\^[\HHY^0™HY[\H0]XH\\K]YHYH[\HH[\0][H\[K[H[\[OX[[\[O\[[˜\[O\]Y[\Yܘ[\\0ܚX\\HY]\؜H[XHܚ\BHKH]]ܘH\ݙ[HH[^pHH\p\Hš[\\\۝[\ܰ蛙[]Y\ZKH\ٙ\HH0]XKXB\^YYH]X[][]HH\\]ܙ\H[]B0]XHH[\\\X[ \X\[X[\[][H[H\X܋B\HۙH[[ŒNM