Riscos que nos ameaçam PD50 - Page 175

reproduzida, a gravação de uma canção que, naquele verso – nesta luta final –, ressoa em nossos corações. Lá se fora o corpo de Armênio. A esperança refletida no fundo de seus olhos serenos restava, no entanto, entre nós. Iluminando os caminhos a serem experimentados pelos que ainda lá estavam. Um dia, por certo, nos reencontraremos na cidade de férias, férias boas que não acabam mais. Tenho estórias e histórias a contar de nossas conversas, do Tio corrigindo e emendando artiguinhos que escrevi para serem publicados na Gazeta Mercantil e de minhas confidências de irmão. Durante o tempo todo em que exerci a magistratura, seu olhar, iluminado pela phrónesis de Aristóteles, me inspirou. Nada de ciência, prudência. Armênio iluminou o voto que proferi, como relator, no processo em que se discutia a amplitude da anistia. Conversamos muito, longamente, foi ele que me conduziu em dire- ção ao correto. Curiosamente, sempre o tive como um irmão, embora ele e meu pai tivessem nascido em 1916 e em 1918, nos meses de maio de então. Com Marx estive também, em tudo quanto li do que escreveu. Guardo ao lado dos meus livros, cá em Tiradentes – on H\BYܘHH\ܙ]\8$\\Y]\\[ZYH\YK[\p]YH\]ZHYH\H0H\]Y[\K[YH\]\[XHp[0ݙ[HX\8$]X[H\ܙ]]H8$H\Z]™\Z]H\Z\Έ8'HZH0H[]\[\]YH]H\XKBY]]\HZH0H[]YX[\HXY]\[]YX[[[]\[0HX\\[[H[[Y[[[Y[0H؛[pKBXZ^[X[H^\HHZNH\Z\[H\XY\܂HY\X\X[Z\\X[H\0\['KHYH\[\[H]YHYH[H[\\ZH]YH0HH[Z^YKH[]\[[[H[[HY\\p\H[\KX\H\pꛚ[X[[HXZ[BM