Riscos que nos ameaçam PD50 - Page 111

O segundo refere-se ao compromisso de investimento prioritá- rio na formação das novas gerações. Os gastos do Estado carece- rão de autenticidade caso não sejam concentrados nas providên- cias insubstituíveis para assegurar, a todas as crianças do país, a viabilização dos grandiosos potenciais criativos e inovadores que lhes são inerentes. O desrespeito para com o trabalho educa- tivo e insubstituível da mãe é um dos mais graves indícios da decadência em vigor no país. As tarefas materna e familiar hão de ser estimuladas, valorizadas e remuneradas à altura da dimensão que possuem. Caso contrário, as taxas de fecundidade estarão alcançando níveis incapazes de assegurar a renovação populacio- nal, ameaçando seriamente a sustentabilidade econômica ao longo do tempo. Conforme estudos demográficos e populacionais, quando a taxa de fecundidade cai abaixo de 2,1 filhos por mulher em fase reprodutiva, delineia-se o desajuste econômico de difícil superação. No Brasil, país cuja taxa de fecundidade já caiu para 1,7, prospera o desprezo para com a evidência científica segundo a qual o declínio de tal indicador tem repercussões demográficas negativas a médio prazo. Torna-se, por isso mesmo, muito difícil conceber um futuro devidamente constru