Revista Sindesp RJ Revista Digital - Page 24

ATUALIDADE O que o Rio perde com a violência Natan Schiper O Estado do Rio de Janeiro vive talvez a sua mais grave crise no setor de Segurança. Assaltos em plena luz do dia em vias públi- cas, o número absurdo de assassinatos de policiais registrados este ano e de vítimas de balas perdidas faz crer que a audácia dos crimino- sos parece não ter limites. É preciso dar um basta nesta situação e, para tanto, a restauração da autoridade do poder público é fundamen- tal. Além de espalhar medo e pânico à população, tal quadro vem causando grandes prejuízos econômicos ao Estado. O medo de sair às ruas somado à venda de contrabando e produtos roubados tem trazido enormes prejuízos ao comércio e contribuído para a crise sem precedentes que está atravessando o setor varejista no Rio. Diante disso, o nosso Estado está perdendo competitividade e divisas com as imagens de violência que são apresentadas todos os dias nos noticiários de rádio, jornal, TV e internet. Seguindo os mesmos passos de turistas que estão evitando visitar o Rio, várias empresas estão deixando o Estado e as transportadoras sofrem para realizar seu trabalho trafegando pelas perigosas vias de aces- so à nossa cidade em razão do alarmante número de roubo de cargas, um tipo de crime que aumentou 180% nos últimos quatro anos. Desse modo, devido ao alto risco, o frete para entregas em nos- so Estado aumentou demasiadamente, assim como o valor do se- guro das cargas. E para cobrir os elevados custos e minimizar os prejuízos as transportadoras criaram a Taxa de Emergência Ex- cepcional (Emex), instituída exclusivamente para entregas na ci- dade do Rio de Janeiro. Esse quadro lamentável em que chegamos penaliza a todos, prin- cipalmente o comércio e os consumidores, uma vez que supermerca- dos e outros segmentos do varejo não têm outra alternativa a não ser repassar para os preços dos produtos o alto custo que estão pagando para colocá-los em suas prateleiras. A criminalidade é um problema que afeta a todos nós e preocupa ainda mais pelo grande número de menores envolvidos. Não pode- mos esperar que a polícia resolva sozinha este grave problema. É necessário a adoção de políticas públicas de prevenção e de Educa- ção por parte dos governos; maior responsabilidade dos pais com relação aos filhos e uma atuação social mais incisiva das entidades, Ongs e associações de classe. Por tudo isso, entendo que para salvar a nossa Cidade e o nosso Estado é preciso um esforço concentrado de toda a sociedade. So- mente lutando juntos, contribuindo com ideias, apoios e fazendo cada um a sua parte, conseguiremos devolver o nosso Estado aos cida- dãos de bem e fazer com que o Rio volte a ser a Cidade Maravilhosa que tanto amamos. Natan Schiper Diretor da Fecomércio-RJ 24 REVISTA SEGURANÇA PRIVADA Os empresários Frederico Camara, Jacymar Daffini Dalcamini, Urubatan Stevan e Halano Cunha Feira de Segurança reúne empresários brasileiros no Chile A fria mas irresistivelmente apaixonante ci- dade de Santiago, no Chile, foi palco de uma Feira de Equipamentos de Segurança promovi- da de 25 a 27 de maio. O presidente do Sindesp- RJ, Frederico Camara, esteve presente ao even- to, que contou ainda com a presença de vários outros empresários brasileiros, diretores e pre- sidentes de Sindesp´s, entre eles, Urubatan Stevan, presidente do Sindesp-CE; Jacymar Daffini Dalcamini, presidente do Sindesp-ES; José Adir Loiola, diretor Institucional do Sesvesp; e o empresário Halano Cunha, do Sindesp-CE. Os participantes aproveitaram o evento para troca de informações com empresários chilenos da Segurança Privada e, após os compromis- sos de trabalho, para conhecer algumas atra- ções da cidade de Santiago. Os brasileiros fo- ram unânimes em elogiar a organização e a infraestrutura da capital chilena, a nível dos pa- íses de primeiro mundo. Após os compromissos de trabalho, o grupo de empresários brasileiros aproveitou para conhecer alguns pontos turísticos chilenos