Revista PrisMagazine Número 002 Ano I - Out. 2015 - Page 26

26 Nascida em 16 de Janeiro de 1963, em Curi ba, PR, atualmente com 52 anos. Começou a fazer Orientação em 1986, quando o seu grande amigo Oscar Moritz, hoje VicePresidente da Confederação Brasileira de Orientação (CBO), a convidou para par cipar de um Curso sobre este esporte e que, segundo ele, ela iria gostar muito, por causa da sua paixão por esportes de aventura (na época, pra cante rallye de regularidade, pára-quedismo, mergulho, surf e esgrim...). Fez o curso, organizado por Leduc Fauth e por militares da 5ª Região Militar e 5ª Divisão de Exército, em Curi ba-PR, conheceu conheçou o então Capitão de Infantaria Itamar Torrezam, que era técnico e atleta da equipe brasileira de Orientação das Forças Armadas e, a par r de então, surgiram dois amores em sua vida: por ele e pela Orientação. A história pessoal da Carla Clausi e a da Orientação se confundem até o ano de 2009, pois ambas foram feitas muitas coisas juntos, maravilhosas, em prol do esporte e sempre foi ele o meu maior incen vador. Do que mais a orgulho na Orientação é de suas lutas para que as mulheres par cipassem, como os homens, nas compe ções, tanto civis, quanto militares, apesar das diferenças. Teve que correr muitas pistas com homens, para provar a todos que também eram capazes de correr e se orientar ao mesmo tempo... e que nham inteligência e capacidade sica para pra car este esporte ! O que mais gosta na Orientação é da ausência completa de ro na e do desafio sempre constante. Todas as pistas são diferentes, mesmo se forem traçadas no mesmo mapa. É a pura emoção de entrar na carta e sen r-se dentro de um filme daqueles da Disney... Às vezes com bruxas más se arrastando para pântanos profundos e pegajosos... Às vezes com Príncipes se abrindo caminhos iluminados através dos bosques encantados, cheios de fadas e duendes... fazendo-nos passar por cachoeiras cantantes, por raios de sol invadindo as matas, por paisagens inimaginavelmente lindas... É o segredo de encontrar-se com a parte mais bonita da natureza, da forma mais saudável possível: correndo! Também o que a fascina é o fato de não ter adversários; corremos entre si e contra o terreno, tendo que superar os próprios limites! Quando se perde, é porque falhas foram come das; a cobrança é de cada um... e isto faz com que não haja adversidade entre os compe dores e, sim, uma grande amizade entre todos Quanto ao futuro da Orientação, ela espera que o esporte seja cada vez mais conhecido no meio civil, porque a considero espetacular! É um dos únicos esportes onde vemos pessoas de todas as idades par cipando das provas, desde crianças até idosos,Também o que a fascina é o fato de não ter adversários; corremos entre si e contra o terreno, tendo que superar os próprios limites! Quando se perde, é Exclusivamente para as mulheres: nunca se preocupem por estarem sujas de lama, ou com os cabelos desalinhados, ou encharcados pela travessia de um córrego que virou um rio depois da chuvarada... o seu charme é imba vel, em qualquer pista !!! Mas não se esqueçam do quanto foi di cil conquistar seu lugar ao sol, literalmente, na corrida de Orientação! Então, só cabe a todas mantermos este espaço e melhorarmos, cada vez mais, seus desempenhos como atletas e seu nível técnico, para mostrar não aos outros, mas a nós mesmas, de como são capazes de superar estes e novos desafios, sempre com firmeza, determinação, força, muita garra... e sempre com um sorriso nos lábios !!!! !