Revista PrisMagazine Número 003 Ano I - novembro 2015 - Page 6

06 ORIENTISTA EM FOCO COMO REALIZAR A LEITURA DE UM MAPA DE ORIENTAÇÃO - ISOM 2000. ESSE MÊS VAMOS FALAR SOBRE OS MAPAS DE ORIENTAÇÃO, ESTES TAMBÉM CONHECIDOS COMO CARTAS NO MEIO MILITAR, ELAS SÃO REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DE UMA ÁREA, CONTENDO INFORMAÇÕES VISUAIS DO RELEVO, DA VEGETAÇÃO E OBJETOS ESPECIAIS, ANTES QUE APAREÇA A DÚVIDA JÁ VOU EXPLICANDO Os mapas de orientação são sim um pouco diferentes dos mapas cartográficos tradicionais, principalmente pelo fato que nestes mapas a linha que serve de guia para o norte aponta para o norte geográfico da terra ou também conhecido como norte verdadeiro, enquanto os de orientação apontam para o norte magné co. Para efeito de conhecimento existem três pos de direções base a qual sempre apontam para um po de norte, ou o norte geográfico, ou o norte magné co ou ainda o norte da quadricula, onde ambos podem apresentar variações de direção dependendo da região a qual está sendo observada. Para mais informações vou deixar um link na descrição do vídeo uma apos la bem interessante de topografia que falam mais sobre este tema. Agora falando apenas dos mapas para orientação. Eles são confeccionados par r das especificações internacionais para mapas de orientação, editada no ano de 2000 pelo comitê de mapas da IOF, recebendo o nome de ISOM 2000. ele tem como finalidade padronizar a simbologia empregada no esporte e abranger os mais variados pos de terrenos existentes no mundo. Os símbolos estão classificados em 7 categorias dis ntas: relevo, terrenos rochosos e pedras, água e pântanos, vegetações, elementos construídos, símbolos técnicos e símbolos de percursos. Antes de detalharmos cada um, é importante saber que os mapas possuem 7 cores básicas as quais podem ter diferentes tonalidades e apresentarem simbologias dis ntas. Possuindo assim catalogação exclusiva dentro de cada categoria. Foto: Mapa H21E - 7ª Etapa do XXII do COERJ RELEVO (100) As formas de relevo são desenhadas na cor castanho e o indica vo 100, representam as curvas de níveis que são caracterizadas como uma linha imaginaria que une todos os pontos de igual al tude, em outras palavras, é como se cortarmos uma serra em camadas de 5 em 5 metros, e para facilitar a diferença destes níveis a cada 25 metros e adicionada uma linha mais cheia chamada de nível mestra. Alguns símbolos especiais também são representados pela cor castanha que são as cotas , as depressões, buracos, barrancos, erosões , taludes e objetos especiais de terreno. TERRENO ROCHOSO E PEDRAS (200) São representados na cor preta e alguns em coloração acinzentado. Possuem 12 pos sendo as principais o penhascos intransponíveis (201), aliás quando se fala intransponível é realmente impossível de passar, não invente de querer tentar, os penhascos transponíveis (203) e os rochedos (202). ÁGUA E PÂNTANOS (300) Água e pântanos são representados pela cor azul e detalham os rios, os córregos, as nascentes (301 a 3013) e o que é objeto especial relacionado a água (314) que pode ser desde uma caixa d'água a um bebedouro e etc. VEGETAÇÃO (400) Vegetação é a categoria mais importante para o orien sta, pois indica a velocidade de progressão, a visibilidade e as dificuldades que o atleta encontrará durante a rota escolhida. A cor branca representa a floresta aberta de fácil progressão, a cor amarela e suas variações representam as áreas abertas e a cor verde e suas variações representam a densidade da floresta, as vegetações ra s t e i ra s e o s objetos especiais de vegetação como troncos, árvores isoladas e moitas. O orien sta esperto é aquele que sabe iden ficar as áreas em total amarelo e branco as quais serão de corrida livre e evitar na