Revista PrisMagazine Número 002 Ano I - Out. 2015 - Page 23

23 CRESCIMENTO DA PARTICIPAÇÃO FEMININA NA ORIENTAÇÃO No ano de 1995 foi realizado o I Campeonato SulAmericano de Orientação, na cidade de Santa Maria - RS. Foi o 1° Campeonato nacional que apresentou a categoria Damas, mas havia apenas uma única categoria, sem divisão por faixa etária. A campeã da prova foi a atleta Carla e a vice-campeã a atleta Lucimara Hackmann, de Campinas, SP. A par r de então, o número de atletas femininas começou a crescer progressivamente, juntamente com a fundação de vários clubes civis, em cidades e Estados diferentes, cada qual desenvolvendo suas compe ções, que então passaram a contar sempre com a par cipação das mulheres. Em 15 de dezembro de 1996 houve o I Troféu Brasil de Orientação, em São José dos Campos, SP, com a par cipação feminina em 3 categorias. Ao término do evento houve a primeira reunião considerada como “oficial” para a Orientação civil brasileira, com a presença das maiores autoridades do esporte, à época. A atleta Carla Clausi esteve presente a esta reunião, como “ouvinte”, pois não havia qualquer po de representação feminina legal até aquele momento. Dali nasceu o planejamento para a criação da Confederação Brasileira de Orientação. COMPETINDO COM HOMENS Ainda em 1996, a atleta Carla Clausi entrou para o Exército e passou a tentar implementar a Orientação no segmento feminino, dentro da Força. Mas foi somente em julho de 1997, quando aluna da Escola de Saúde do Exército, que conseguiu par cipar como a 1ª atleta do segmento feminino em uma compe ção militar de Orientação, nas Olimpíadas da Diretoria de Ensino e Especialização (DEE), no Centro de Capacitação Física do Exército, no Rio de Janeiro, cujo responsável pela prova era o então Maj Sérgio Brito. Não havia categoria feminina e a 1° Ten Aluna Carla Clausi compe u com os homens. Seu técnico, o então Ten Hervel, inscreveu-a como avulsa na compe ção, não podendo contar ponto para sua equipe, o que acabou prejudicando a própria equipe, pois seu tempo foi melhor que o do 3° atleta selecionado para contar ponto. Recebeu uma medalha de honra ao mérito por sua par cipação. Em dezembro de 1997, por ocasião do II Campeonato SulAmericano de Orientação, sendo diretor da prova o Cel Torrezam e organizador o Clube de Orientação de Curi ba, houve uma nova Clínica Internacional de Orientação, em Curi ba - PR, proferida pelo Sr Higino Esteves, presidente da Federação Portuguesa de Orientação e membro permanente da Interna onal Orienteering Federa on - IOF. Havia vários representantes, novamente, das Faculdades de Educação Física e o esporte voltou a crescer na cidade. Em junho de 1998, e H