Revista Crea-SP | nº 09 - Page 22

FINANÇAS COPA DO MUNDO SEM PLANEJAMENTO É BOLA FORA Daqui a uma semana vamos reviver um dos espetáculos que mais comovem o povo brasileiro. É o tema sobre o qual todos estão falando. Não há reunião de amigos, familiares ou conversa de padaria que não esteja palpitando sobre a performance do Brasil em mais uma Copa do Mundo. Entre torcedores fanáti cos ou não, somente no ano de 2014 foram 3,2 bilhões de pessoas acompanhando em algum momento este torneio. Uma amiga que mora na Espanha e sente orgulho do seu patrioti smo e apoio à seleção catalã, tentava me explicar ao telefone o porquê do seu ti me de coração não parti cipar de uma Copa do Mundo, mesmo tendo sido uma das primeiras seleções a ser fundada (1904): o ti me não é reconhecido pela Fifa ou pela Uefa, órgão que administra o futebol europeu. Mas o que minha amiga contou e que me deixou refl exiva foi que, em uma de suas viagens pelo país, ela e seu namorado, que também acompanha o ti me catalão, foram assisti r a mais um amistoso em apoio incondicional a La Segadora, apelido carinhoso da seleção de Catalunha. Pois bem, ele chegou do trabalho por volta das 14h, almoçaram, conversaram um pouco e saíram de Terragona rumo ao estádio em Barcelona, o que levaria em torno de 1h20 de carro. 22 | R E V I S T A CREA-SP Antes da metade do caminho, caiu uma chuva torrencial alagando as vias principais e o casal fi cou ilhado. Com a ajuda de outros carros saíram daquele alagamento, mas já era dado como perdido assisti r ao jogo. Que nada! Agora era uma questão de honra: pegaram o trem e, saindo da estação, andaram alguns quarteirões. Chegando ao estádio, seu namorado percebeu ter esquecido os ingressos no porta-luvas do carro. O jeito foi correr para a bilheteria, com o jogo já iniciado. Ouvindo a história da minha amiga é possível perceber que o ocorrido com ela e seu namorado foi algo comum, corriqueiro ou talvez apenas azar. Às vésperas da Copa do Mundo, milhares de pessoas que estão indo assisti r ao seu ti me jogar podem passar por essas situações, mas esquecemos de analisar o quanto faltou de planejamento para minha amiga e para tantas outras pessoas que se aventuram em outras viagens e nem sempre têm um fi nal feliz. Vamos falar do ponto de vista fi nanceiro: é preciso avaliar sua situação fi nanceira real. Nos empolgamos com a ideia de viajar pelo mundo e esquecemos que, no regresso, as contas chegam junto, muitas vezes até antes de nós. Por isso é preciso planejar o antes, o durante e o depois. Ter um bom planejamento fi nanceiro é o passo fundamental para iniciar. Se você não tem uma reserva guardada, comece economizando desde já, fi ltre todas as suas despesas e veja o que pode ser desti nado à sua viagem, considerando aquele valor como uma despesa fi xa, ou seja, não mexa nele! Pense em todas as despesas que envolvem sua viagem fazendo uma análise dos custos: passagens, alimentação, hospedagem e locomoção são as quatro principais. Outra coisa para se levar em consideração é o perfi l da sua viagem: ela será mais luxuosa ou mais simples? Seu foco vai ser nas compras ou em entretenimento? Ter isso bem defi nido ajuda bastante na hora de decidir se compra algo novo que precisa e deseja ou é apenas porque o vislumbre das propagandas nos encantou. É importante não dar um passo maior do que a perna: planeje uma viagem realista para o seu padrão atual de vida. Comprar ingressos, bilhetes de transporte e entradas em shows antecipadamente, quando possível, pode garanti r bons descontos e evitar desconfortos. Cubra-se do maior número possível de informações de guias, sites sobre roteiros, dicas de amigos, sobre entradas promocionais ou gratuitas em museus e pontos turísti cos. Hoje existem inclusive inúmeros aplicati vos que simulam viagens e ajudam a encontrar programas sem custos ou em promoção. NOS EMPOLGAMOS COM A IDEIA DE VIAJAR PELO MUNDO E ESQUECEMOS QUE, NO REGRESSO, AS CONTAS CHEGAM JUNTO, MUITAS VEZES ATÉ ANTES DE NÓS. TER UM BOM PLANEJAMENTO FINANCEIRO É O PASSO FUNDAMENTAL PARA INICIAR. Defi niti vamente uma viagem curta não quer dizer que seja mais barata que uma viagem longa, tudo depende da moti vação. Existem alguns fatores que explicam e têm ligação com o tempo de planejamento fi nanceiro que se faz para cada ti po de viagem. Para períodos maiores a tendência é planejar mais, ver outras formas de pagamento, tempo maior para organizar o bolso, enquanto para períodos menores a tendência é aproveitar e tentar fazer de tudo durante o curto espaço de tempo e isso inclui também “gastar tudo”. Viajar é maravilhoso! Repor as energias é essencial. Estar com a família, amigos, pessoas que amamos... Aproveitar para conhecer novas culturas e lugares, então, nem se fale. Quando há planejamento todas as coisas acontecem em sua plenitude. ◘ Colaboração: Janaína Macedo Calvo - Chefe da Unidade de