Revista Crea-SP | nº 08 - Page 22

VIAGEM DICAS PARA VOAR tranquilo COM AS CRIANÇAS Realizar viagens ao lado de crianças não é uma tarefa fácil, principalmente se o tempo de voo for muito longo. Além disso, alguns pais podem ter medo de voar e, com isso, passar essa ansiedade para as crianças, o que não é nada bom. Veja abaixo algumas dicas que podem ajudar os pais e as crianças a curtirem o voo e chegar a seu destino com mais tranquilidade. 1. GERENCIE SEU MEDO Lembre-se de que o medo é seu e não do seu filho. Como as crianças copiam os comportamentos dos adultos, especialmente dos pais, é importante que você não demonstre seu receio de voar. Vale lembrar, inclusive, que a maioria das fobias se desenvolve na infância e filhos de pais fóbicos têm 15% a mais de chances de perpetuar o padrão de comportamento familiar na fase adulta. 2. CONVERSE COM A CRIANÇA É muito importante preparar a criança para a viagem, especialmente aquelas que já falam e entendem os pais. A ansiedade, muitas vezes, surge por medo do desconhecido. Se for a primeira viagem de avião, explique o que acontece e como ela deve se comportar. Fale dos procedimentos, do cinto de segurança, etc. Mostre fotos de como é a cabine dos pilotos, explique como eles dirigem o avião e como a equipe de bordo está preparada para ajudar todo mundo caso haja necessidade. 3. CHEGUE CEDO AO AEROPORTO Crianças costumam ficar fascinadas com pousos e decolagens. Assim, planeje chegar um pouco antes para poder mostrar os aviões, usar o banheiro e comer. 4. DIVERSÃO A BORDO Viajar de avião longas horas pode ser entediante, mesmo para um adulto. No caso das crianças, organize jogos, livros e brinquedos para distração durante o voo. Algumas aeronaves contam com filmes e videogames também. 5. ABRACE Nada melhor que a criança se sentir segura. Aproveite a viagem para abraçar, dar colo ou até mesmo ficar de mãos dadas com a criança. O afeto durante o voo pode ajudar a acalmar os pequenos. 6. ALIMENTAÇÃO Quem viaja com crianças deve estar preparado para tudo. Por isso leve frutas, biscoitos ou alimentos que façam parte do cardápio do dia a dia e não estraguem com facilidade. Se a criança ainda mama no peito, também é uma excelente maneira de evitar dor de ouvido, especialmente no pouso e na decolagem. Se nenhuma estratégia funcionar e a criança ficar com medo durante o voo, o ideal é tirar o foco, falando de outros assuntos, como, por exemplo, como será legal a viagem, os lugares que irão conhecer, etc. Os pais também podem orientar a criança a respirar, pois a respiração lenta e profunda ajuda a diminuir a ansiedade. ◘ 12 | REVISTACREA-SP DICAS CULTURAIS O D A T L O V A L I N I V Também conhecido como o Dia Nacional do Disco de Vinil, o Dia do Disco é comemorado anualmente em 20 de abril em homenagem ao músico Ataulfo Alves, que morreu nessa data em 1969. O vinil foi desenvolvido em meados da década de 1940, permanecendo popular em todo o mundo até o surgimento do CD. Também chamado de LP - abreviação para Long Play – o disco de vinil foi desenvolvido para a gravação de maior quantidade de músicas, daí maior tempo de música tocando na vitrola. Nos últimos anos tem ocorrido um fenômeno interessante em relação ao mundo da música. Após um período, 22 | R E V I S T A CREA-SP no final dos anos 80 do século XX, quando se falou muito da qualidade da música digital e do formato CD como a grande invenção para ouvir um som de qualidade e as fábricas começaram a trocar o disco de vinil pelo novo produto, muita gente deixou o LP de lado e acabou por descartar parte ou toda a sua coleção de discos entrando no clima da nova mania. Claro que os colecionadores de discos no antigo formato demoraram a entrar na onda e muita gente ainda manteve seus discos em algum lugar da casa, mesmo ouvindo que os CDs ocupavam menor espaço e que os LPs já estavam se tornando coisa do passado. Nesse período as fábricas ganharam muito dinheiro com a venda de CDs até a chegada do mp3 e da Internet. Curiosamente o jogo virou e a indústria da música foi abalada pela pirataria, que se aproveitou do formato digital e da Internet para ocupar um espaço que, no passado, era mais limitado e o termo “disco pirata” ou “bootleg” deixou de caracterizar uma raridade – gravação de shows ou ensaios – para reproduzir o material oficial dos artistas. A gente já sabe o final dessa história e como o jeito de ouvir música também mudou ao longo do tempo. Com a facilidade de levar muita música em formato digital em pequenos aparelhos (tocadores de mp3) os antigos discos de vinil ficaram quase esquecidos. Nos últimos anos estamos vendo a retomada de produção dos LPs e vários artistas, inclusive brasileiros, estão optando pela divulgação de seu trabalho também em vinil. Músicos com uma carreira já estabelecida há anos e que conviveram a maior parte do tempo com os “bolachões”, como eram conhecidos os antigos discos de vinil, estão relançando seu material histórico inclusive com shows especiais, como recentemente fez Alceu Valença – relançando seus primeiros discos em vinil da década de 1970 num box especial – e Lô Borges, com o famoso disco do tênis de 1972. Esses discos, na maioria das vezes, recebem um tratamento especial, recuperando o material gráfico original e LP de 180 gramas, mais pesado e mais próximo do estilo da época. Os fãs desse formato argumentam que a qualidade de som é melhor, que o tamanho das capas ajuda a divulgar um trabalho gráfico de maior qualidade e destacam que algumas capas e encartes são verdadeiras obras de arte. Em relação às capas é evidente que o tamanho maior permite uma experiência muito diferente da que ocorre com o CD e hoje com a música apenas digital, que não oferece muita informação. Muitas vezes os encartes que acompanham o disco apresentam a ficha técnica, a relação dos músicos participantes e até as letras das canções. As feiras de discos que ocorrem em São Paulo e em outros estados ajudam a aproximar os velhos e os novos fãs do vinil – nesse caso, oferecendo produtos e preços para todos os gostos e bolsos. No Centro de São Paulo alguns lojistas da Galeria do Rock migraram para a Galeria Nova Barão, que f6VG&R2'V2rFR'&R&,:6FRFWFv67WW&"7F&ЦFfW'622VR6RW7V6Ɨ&fVFF2f2wV226W6fR<;2G&&ƆЦ62R67F2:vVF2R&&FFW2&VVv7FFR;66RFfVƆf&F66W'FW6W,:V&V76VRVw&FPfvVFV)y6&&:|:6G,:66WGF&&ƖFV6"Rb2B5$T5#0