Retrato da Segurança Viária 2018 Retrato da Segurança Viária 2018 - Page 9

INTRODUÇÃO Uma parceria promissora A publicação do “Retrato da Segurança Viária no Brasil” começou em 2014, por iniciativa da Cervejaria Ambev e da Falconi Consultoria com a ambição de colaborar com informações que auxiliam no desenvolvimento de estratégias para tornar o sistema viá- rio mais seguro. Seu intuito, portanto, está em sintonia com o novo desafio para a gestão de trânsito no Brasil que representou a criação do Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans), por meio da Lei no 13.614/2018, de 11 de janeiro deste ano. E, com efeito, a quinta edição do “Retrato” chega agora a suas mãos como parte integrante da primeira fase da implementação do Plano, graças à parceria do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) com o Instituto Tellus. Com o nome de Movimento Nacional de Segurança Viária, o acordo de cooperação técnica entre o órgão do Ministério das Cidades e a organização não governamental foi firmado em julho e consiste em realizar um diagnóstico nacional das fontes de dados da segurança viária, para então definir e implantar uma metodologia única de coleta, tratamento e divulgação desses dados. A parceria também visa a estabelecer os critérios para desdobrar, negociar e divulgar as metas de redução dos índices de mortes e lesões ocasionadas por acidentes de trânsito. O Pnatrans estipula que o país deve diminuir pela metade, no mínimo, o índice nacional de mortos por grupo de veículos e o índice nacional de mortos por grupo de habitantes, no prazo de dez anos, tendo 2018 como referência. Trata-se de uma meta ambiciosa, mas absolutamente necessária e perfeitamente possível. O êxito desse Plano representará, para a sociedade, a mitigação não só dos custos sociais e econômicos, na esfera pública, mas, principalmente, dos incalculáveis custos humanos, na esfera privada, associados à perda precoce de vidas e às sequelas permanentes causadas por lesões graves.O Pnatrans é composto por oito pilares essenciais. Um deles, que versa sobre o financiamento do Plano, prevê, entre as ações a ser adotadas, o fomento de parcerias público-privadas e a doação de recursos aos projetos do Plano, como ocorre, justamente, com o Movimento Nacional de Segurança Viária, que tem a Ambev como parceiro investidor. Somente por meio de um amplo esforço que envolva órgãos de saúde, de trânsito, de transporte e de Justiça, assim como a iniciativa privada e a sociedade civil, seremos capazes de promover um trânsito verdadeiramente seguro no Brasil. Alexandre Baldy Ministro das Cidades Maurício José Alves Pereira Diretor do Denatran