PODERES EM REVISTA 4ª edição - Page 72

destaque i ciclismo Os motoristas são prisioneiros do enorme trânsito, demonstram estresse e impaciência com os ciclistas. Deve haver um respeito mútuo entre todos os que circulam pelas cidades. Os gestores devem olhar para a bicicleta como o veículo do futuro, e abrir um vasto espaço para os ciclistas, através da criação de bicicletários e da interligação de ciclovias. Não vamos desistir após a primeira queda. Como diz o Mahatma Gandhi, “devemos ser a mudança que queremos ver no mundo”. No mês de maio, a Prefeitura de São Paulo começou a multar os motoristas que ameaçam a segurança de ciclistas no trânsito. A penalização é por infração leve ou média, equivalente a 3 ou 4 pontos na carteira, respectivamente. Serve para chamar a atenção sobre a questão, mas, paralelamente, deve haver um trabalho de conscientização, tanto para os motoristas quanto os ciclistas. Assim, a iniciativa é em prol de uma melhor harmonia no trânsito. O cidadão que deixa o automóvel para se locomover de bicicleta na cidade de São Paulo durante o período de 30 a 40 minutos ganha cerca de uma hora e meia por dia, além dos benefícios para a saúde. O mapeamento das ciclorrotas foi um grande passo para a ampliação do sistema. São 52 quilômetros de ciclovias para 11 milhões de habitantes. Investir nas bicicletas é fundamental para o futuro da fluidez do trânsito nas metrópoles. Na capital paulista, são 45 quilômetros de ciclofaixas que fazem a interligação de quatro parques, sempre aos domingos. Um plano fundamental que vai fazer com que mais pessoas passem a pedalar é a implantação de uma escola de formação de ciclistas 72 I Poderes em Revista paz no trânsito: saúde e tranquilidade nas ruas das metrópoles