PODERES EM REVISTA 4ª edição - Page 67

M ITO. Passar horas em frente ao computador provavelmente vai trazer mais problemas à sua vida social – e às suas articulações, se você não cuidar da ergonomia – do que à sua vista. O máximo que pode acontecer com seus olhos, se você exagerar no tempo diante de um monitor, é um cansaço visual momentâneo, provocado principalmente por dois fatores: o esforço constante de acomodação e a falta de lubrificação. Sabe quando você aperta o disparador da câmera fotográfica até a metade? Ali ela faz o foco, certo? Ou seja, calcula a distância do objeto que você quer registrar e realiza os ajustes mecânicos necessários de modo que a imagem apareça nítida. No olho humano, o responsável por essa operação, que os oftalmologistas chamam de ‘acomodação’, é o cristalino. Lente posicionada entre a córnea e a retina, o cristalino trabalha sem descanso e numa velocidade muitíssimo superior à de qualquer máquina fotográfica – já imaginou, a cada movimento do olho, ter de esperar aquele tempinho que as câmeras demoram para conseguir enxergar com foco? Pois é. Embora a gente não perceba, o cristalino trabalha duro, o tempo todo. No caso de um monitor, a exigência é ainda maior, já que é preciso focalizar, constantemente, detalhes relativamente pequenos (letras, símbolos, imagens). O pobre do cristalino, então, passa recibo. E diretamente para a sua cabeça, que começa a doer. Outro alarme certo de que está na hora de você levantar um pouco da cadeira e dar uma volta é a ardência no olho. “Quando ficamos muito tempo com a atenção fixada no monitor, às vezes esquecemos até de piscar. Esse ressecamento na superfície do olho é que provoca a ardência ou até mesmo sensação de sujeira”, explica o oftalmologista Herbem Maia, da Fundação José Silveira, em Salvador. “É preciso, de vez em quando, sair da frente da tela dois ou três minutos para descansar a acomodação e também lubrificar o olho”, completa. Vale lembrar que esse cansaço visual é diferente do que se chama ‘vista cansada’, a presbiopia, que normalmente aparece, como explica Maia, em indivíduos de meia-idade. “É comum que, depois dos 40 anos de idade, o cristalino comece a perder a capacidade de acomodação”. Mas isso não tem nada a ver com computador. Poderes em Revista I 67