Pathos: revista brasileira de práticas públicas e psicopatologia 8º Volume - Page 23

PATHOS / V. 08, n.01, 2019 22

Σ

Enfrentamento

Esperança

resistência

Amor

Felicidade

Acesso

Educação

Diversidade

Liberdade

Com isso, tal realidade faz com que a alienação seja utilizada por essas pessoas e as vezes até por nós, como a principal ferramenta na luta pelo processo de desenvolvimento. Por mais estranho e controverso que possa parecer, para a sobrevivência defensiva do Eu, do Nós; o Outro deve, da forma mais imperativa e cruel, deixar de existir.

Um dos resultados de tal catástrofe é o não desenvolvimento social e comunitário, produzindo sujeitos sem voz e sem direito de escuta. Não há mais o que dizer nem o que ouvir, nem o que mostrar e muito menos o que olhar. O vazio se instaura e o desenvolvimento enfraquece ou permanece maquiado, disfarçado de algo bom, revolucionário, inovador e pronto para resolver todos os problemas atuais. Temos a chegada e a criação de um verdadeiro mito? De um homem mágico e milagroso?

O ser humano possuí a tendência, benéfica ou não, de criar aquilo que deseja. Dessa forma, horrorizados ou não poderíamos dizer que Jair Bolsonaro é uma criação nossa!... Sim, muitos ficariam arrepiados com tal afirmação, eu por exemplo, outros, talvez tão falsamente onipotentes como o dito “mito”, gostariam da ideia. De qualquer forma, seria interessante entender o por que de tal criação. Cansados de sofrer, como uma fuga desesperada para a fantasia, buscamos de forma imediatista e imatura uma maneira de resolvermos os nossos conflitos, sejam eles subjetivos ou concretos.

Para tanto, como depositários da angústia, preciso buscar os responsáveis pelo nosso sofrimento, aqueles que me prejudicam ou me ameaçam. Surge então, para muitos, alguém que diz que irá acabar com os problemas, que eliminará aquilo que nos assusta e nos incomoda. O resultado de tal atitude é o surgimento e o reforço de uma espécie de paranóia, ao que o outro, diferente de mim, passa a ser o nosso bode expiatório.