Pathos: revista brasileira de práticas públicas e psicopatologia 5º Volume - Page 81

Foto: Cristiano Rodineli de Almeida/ acervo pessoal

Σ

PATHOS / V. 05, n.03, 2017 80

Após a venda da FMU, o estágio de triagem passou a contar com um número limite de apenas dois supervisores por sala de aula, independente do número de alunos. Dessa forma, grupos de “supervisão” chegaram a uma média de 35 alunos para serem “supervisionados” em apenas 1h40m semanais. Após essa mudança, outras tantas ocorreram e infelizmente nenhuma que pudesse ser vista e avaliada como benéfica para o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos alunos, sem contar a qualidade dos serviços prestados à comunidade, fator que não está em pauta neste momento, embora também merecesse atenção.

Outras mudanças graves ocorreram, como a redução da carga horária pela metade das supervisões dos estágios de último ano. Para termos uma ideia, grupos com uma média de 12 alunos passaram de quatro horas-aula para duas horas-aula de supervisão. Se utilizarmos a matemática, iremos nos deparar com números absurdos, ou seja, temos 1h40m para 12 alunos o que daria, aproximadamente, cinco minutos para cada aluno apresentar o atendimento do seu caso e três minutos para o professor supervisionar, sem contar questões burocráticas, como lista de chamada, entre outras atividades pertinentes. Aqui, perguntamos a base em que esta “pedagogia de síntese” foi pautada. Como alunos do último ano, inexperientes, geralmente com medos e ansiosos, poderiam sintetizar um atendimento na clínica-escola ou em instituições parceiras em cinco minutos? Como um supervisor, por mais habilidoso e experiente que fosse, conseguiria de fato supervisionar casos e situações por vezes graves em três minutos? Será que, de fato, sendo bem realista, a supervisão do caso ocorreria? Será que os alunos, nesse momento tão importante da formação, realmente se sentiam respaldados e minimamente seguros para atenderem aos pacientes? Será que a instituição estava preocupada com a qualidade do serviço prestado? O que passou a importar desde então?