Pathos: revista brasileira de práticas públicas e psicopatologia 5º Volume - Page 77

Em tempo, as histórias e experiências únicas de cada pessoa, podem determinar seus caminhos, percepções e até mesmo a função que aplicativos para relacionamentos pode ter.

A que ponto as coisas estão diferentes? Será que a angústia, presente em grande parte dos componentes de nosso tempo, já não existia no passado, porém caracterizada de forma diferente e talvez até mais reprimida? Gostaríamos de finalizar com o questionamento feito por Silva (2005) em sua apresentação sobre a obra A Era do Vazio de Lipovetsky (1993), que traduz de forma bastante real a reflexão que pretendemos gerar ao leitor que até aqui nos acompanhou:

Estamos no vazio ou no excesso? Vivemos um tempo extremo ou num novo e instável equilíbrio? Caminhamos no fio da navalha e cortamos os nós que nos prendiam a um passado cheio de correntes e de moralismo? Entramos numa fase de descalabro ético ou, finalmente, estamos pondo os valores a serviços dos homens e não os homens a serviço de uma moral da submissão? Atravessamos a fronteira do bem e do mal e ingressamos num deserto de certezas ou descobrimos que nossas verdades universais eram valores locais universalizados? (Silva, 2005, p. 9)

REFERÊNCIAS

Bauman, Z. (2000/2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Bauman, Z. (2004).

Bauman, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de

Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Z. (2007). Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

Bezerra, P. V., & Justo, J. S. (2010). Relacionamentos amorosos na pós-modernidade: análise das consultas apresentadas em sites de relacionamento amoroso. Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 4, n. 2, p. 193-204.

Borges, C. C., Magalhães, A. S., & Carneiro, T. (2014). Liberdade e desejo de constituir família: percepções de jovens adultos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(3), 89-103.

Bowlby, J. (1969-1990). Apego e Perda: a natureza do vínculo (v.1). 2. Ed. São Paulo: Martins Fontes.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Cruz, R., & Silveira, J. (2012). Redes Sociais Virtuais de Informação sobre Amor. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, 3(1), 146- 167.

Freud, S. (1914-2010). Introdução ao Narcisismo, Ensaios de Metapsicologia e outros textos. São Paulo: Cia das Letras.

Freud, S. (1921-2014) Psicologia das Massas e Análise do Eu e outros textos. São Paulo: Editora Cia das Letras

Freud, S. (1930-2010). O Mal-Estar na Civilização: Novas conferências introdutórias à Psicanálise e outros textos. São Paulo: Editora Cia das Letras.

Gasset, José (1930-2016). A Rebelião das Massas. Editora Vide Editorial

Hintz, H, (2001). Novos tempos, novas famílias? Da modernidade à pós-modernidade.

Pensando famílias. Eletrônica, 3, 8-20. Porto Alegre.

Kumar, K. (1997). Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lipovetsky, G (1983-2005). A era do vazio: Ensaio sobre o individualismo contemporâneo. Brasil: Manole.

Miranda, C. E. S., & Ramos, J. D. S. (2012). A fragilidade dos relacionamentos conjugais na contemporaneidade. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais.

Nasio, J. D. (2005/2007). Édipo: o complexo do qual nenhuma criança escapa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Schmitt, S., & Imbelloni, M. (2011). Relações amorosas na sociedade contemporânea. Psicologia PT.

Sousa, S. G., Moreira, V. R. P., & Riverson, R. I. O. S. (2016). A liquidez da sociedade pós-moderna: uma análise das relações sob a perspectiva do Tinder. São Paulo.

Smeha, L. N., & Oliveira, M. V. (2013). Os relacionamentos amorosos na contemporaneidade sob a óptica dos adultos jovens. Psicologia: teoria e prática, 15(2),33-45.Recuperado em 18 de setembro de2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516- 36872013000200003&lng=pt&tlng=pt

Zimerman,D.E.(2010).Osquatrovínculos:amor,ódio,conhecimento, reconhecimento na psicanálise e em nossas vidas. Porto Alegre: Artmed.

PATHOS / V. 05, n.03, 2017 76

Σ