Pathos: revista brasileira de práticas públicas e psicopatologia 5º Volume - Page 40

Os bebês, já nos primeiros dias de vida costumam usar os dedos, mais comumente os polegares para a satisfação dos instintos da zona erógena oral. Conforme os meses passam, tendem a eleger um objeto especial, desta vez externo ao próprio corpo, com o qual se tornam apegados afetivamente. Trata-se da primeira possessão não-eu do bebê, conquistada a partir da relação com a região intermediária da experiência. Este objeto de natureza transicional, como descrito por Winnicott, é encontrado pelo bebê atendendo a uma necessidade vital de defendê-lo das ansiedades, principalmente da ansiedade depressiva, que acomete o bebê quando o mesmo se separa da mãe. O objeto transicional pode ser nas mais diversas formas – uma pontinha de lençol, um ursinho macio, fraldinha, boneca ou etc (Winnicott, 1975).

O bebê gradativamente conquista a capacidade de relacionar-se com os objetos externos, e a mãe passa a ser percebida enquanto um indivíduo, uma pessoa separada do bebê. O seio ganha um dono – pertence a mãe. O bebê que antes, por instinto, atacava implacavelmente o seio, começa a reconhecer que o seio é uma parte da mãe, aquela que cuida. A relação do bebê com a mãe torna-se total. Ora instintiva e excitada, ora tranquila e preocupada com o relacionamento. O concernimento, termo advindo do inglês concern que tem como etimologia a preocupação, trata-se de um momento de grande importância para o bebe pois este adquire justamente a habilidade de uma preocupação que é mobilizada pelo sentimento de culpa que ele carrega pela destruição causada (Winnicott, 1990).

É graças ao tempo e capacidade da mãe suficientemente boa de suportar as investidas do bebê de forma constante, sustentando a situação, que o bebê gradativamente consegue “reorganizar as numerosas consequências imaginativas da experiência instintiva e resgatar algo que seja sentido como bom (…) e com isto reparar imaginativamente o dano causado a mãe” (Winnicott, 1990, p. 90).

PATHOS / V. 05, n.03, 2017 39

Σ