Pathos: revista brasileira de práticas públicas e psicopatologia 5º Volume - Page 19

Σ

PATHOS / V. 05, n.03, 2017 18

Observamos que o uso de drogas está associado à criminalidade, a práticas antissociais, à oferta de “tratamentos” inspirados em modelos de exclusão/separação dos usuários do convívio social.

Tendo em vista a complexidade desse cenário, e considerando que as demandas desta população não se restringem unicamente ás questões de saúde, pensamos então na viabilização de uma nova estrutura diferenciada de um CAPS, que pudesse acolher os usuários em suas necessidades de forma integral.

Nessa perspectiva, em 22 de julho de 2013 a Tenda De Braços Abertos iniciou então suas atividades com o objetivo de acolher essas pessoas que viviam na cena de uso de crack, na região dos Campos Elísios, conhecida como “Cracolândia”.

P. C. T. L. ex-beneficiário do “De Braços Abertos”, contou como venceu a dependência química e incentivou os demais. “Eu estou limpo há um ano e meio. Eu não uso mais álcool e estou longe do crack. Eu estou tentando retomar a minha vida, resgatar a minha cidadania aos poucos. Eu tirei minha habilitação novamente, minha carteira de identidade, minha carteira profissional. É possível a gente ficar longe do crack, mas é preciso um pouco de boa vontade. Vocês estão no caminho certo”.

No início dos trabalhos, mais exatamente nas primeiras duas semanas, foram realizadas tarefas de contato direto com as pessoas em situação de rua, usuárias ou não de substâncias psicoativas, moradores locais com residência fixa, e do comércio local.

Sentimos a necessidade de realizar encontros com os mesmos no espaço físico do equipamento, com o objetivo de ouvir e entender suas necessidades, reivindicações e a própria história que os trouxe a este território.

Como os usuários não sabiam a que vínhamos, a resistência foi bem significativa na questão do seu acesso à tenda. Assim, resolvemos servir o achocolatado no período da manhã e a sopa do meio dia, que foram elementos facilitadores no processo de construção do vínculo.

Foram realizadas então, assembleias, uma cada semana, onde os usuários colocaram suas solicitações mais imediatas como, ajuda na alimentação, na higiene pessoal, em pequenos cuidados médicos, na saúde bucal e na questão do trabalho. Bem como foi escolhido pelos mesmos em decisão democrática pelo voto o nome do equipamento: DE BRAÇOS ABERTOS que viria a ser homologado, oficializado e mais tarde contemplado como o nome do programa.