O queijo de coalho em Pernambuco: histórias e memórias - Page 81

A VALORIZAÇÃO DO QUEIJO DE COALHO DO AGRESTE DE PERNAMBUCO (superior) Pastilha caseina aplicada em cada queijo para rastreamento: Selo de Indicação Geografica (Denominação de origem) do queijo St Nectaire: - St Nectaire: nome do queijo - 63 representa a região - Fermier (produzido na fazenda comleite cru) - NJS: identificação do produtor - 33293: identificação da peça de queijo (esquerda) Maison du Lait, na França (direita) 2004: Missão a França com Produtores e Técnicos de Pernambuco Em 2004, foi organizada uma missão à França com objetivo de conhecer experiências de produção, no que concerne a tecnologia do leite e do queijo, bem como os procedimentos técnicos de concessão de selo de qualidade aos produtores de laticínios via sistema de valorização dos queijos artesanais, baseados no sistema de certificação de denominação de origem controlada (DOC), com padrão europeu. A missão foi composta por 15 representantes do Estado de Pernambuco, sendo oito do setor produtivo e sete do setor institucional. A programação da missão contemplou a descoberta da área geográfica da DOC St Nectai re, um dos quatro maiores queijos de denominação da França, em se tratando de volume e faturamento. Esse queijo tem a particularidade de poder ser fabricado com leite cru ou pasteurizado. Durante a missão, foram realizadas reuniões e visitas técnicas. O último dia da missão foi comprometido com a elaboração de um plano de trabalho pelos integrantes, principalmente os do setor produtivo, visando a inserção do queijo de coalho num princípio de valorização do produto a partir de um sistema de Indicação Geográfica. As principais linhas desse plano de trabalho foram inseridas numa carta chamada de Carta da Auvergne (nome da região onde está produzido o queijo St Nectaire). Em 2005, o plano de trabalho do conteúdo da Carta da Auvergne foi inserido dentro de um edital da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), visando o desenvolvimento da agricultura familiar ligada à pecuária leiteira. O projeto, intitulado de Sustentabilidade da Cadeia Agroalimentar do Leite de Base Familiar em Pernambuco, foi aprovado por meio do convênio entre Finep e Itep (Nº 01.05.0158.00), com recursos de R$ 322.832,50. O projeto previa a seleção de dez unidades pilotos na região do Agreste (com prioridade para quem participou da missão à França, em 2004). Cada unidade deveria ser adequada aos padrões exigidos pela vigilância sanitária. Cada uma delas ainda ficou responsável por selecionar 100 vacas a serem identificadas, vacinadas e sujeitas a um controle leiteiro mensal. 79