O queijo de coalho em Pernambuco: histórias e memórias - Page 79

A VALORIZAÇÃO DO QUEIJO DE COALHO DO AGRESTE DE PERNAMBUCO Maturação do Queijo Roquefort de indicação geográfica em grutas naturais da França aumento de renda do produtor. Mas outros benefícios podem ser percebidos ao levarmos em conta os aspectos turísticos, ambientais e culturais, que podem contribuir fortemente para manter o dinamismo socioeconômico de uma região. No Brasil, as Indicações Geográficas são regulamentadas pela Lei nº 9.279/96, que as classifica em duas espécies85: art. 177 da Lei: a indicação de procedência (IP) Nome geográfico de país, cidade, região ou localidade de seu território, que se tenha tornado conhecido como centro de extração, produção ou fabricação de determinado produto ou de prestação de determinado serviço. Franck Battu, produtor do queijo artesanal Fourme de Rochefort na França Fabricação do queijo Reblochon de indicação geográfica na França art. 178 da Lei: a denominação de origem (DO) Nome geográfico de país, cidade, região ou localidade de seu território, que designe produto ou serviço cujas qualidades ou características se devam, exclusiva ou essencialmente, ao meio geográfico, incluídos fatores naturais e humanos. Na prática, a diferença entre as duas espécies centra-se nos seguintes pressupostos fáticos dos produtos ou serviços: IP: indica a notoriedade do local de origem dos produtos ou serviços. DO: foca a qualidade ou característica relacionada ao local (meio geográfico) de origem, considerando-se os fatores naturais (como clima e solo) e humanos (como o saber fazer). 77