O queijo de coalho em Pernambuco: histórias e memórias - Page 51

49 " A palma tornou-se a base da criação e manutenção do gado dos criadores do Nordeste" A palma tornou-se a base da criação e manutenção do gado dos criadores do Nordeste, atingidos pelo fenômeno da seca. Foi por meio de Herman Lundgren, que reconhecida como pessoa muito bem informada, acompanhava publicações de revistas europeias e norte–americanas, foi possível importar seis toneladas de sementes da ‘palma santa’, e, em seguida, distribuir entre fazendeiros do Nordeste do Brasil. Por seu lado, há variedade de palmas suscetíveis a pragas50. No Brasil, assim como no México ou em outras áreas, constitui-se como uma das pestes a conhecida cochonilha de escama (Diaspis echinocacti), que se tornou conhecida por escama, piolho ou mofo da palma, e que traz grandes danos a essa cultura Essa mesma praga é, no México, conhecida por escama blindada, por oferecer muita resistência ao seu combate. Em Pernambuco, diz Djalma Santos51 (IPA) que: [...] A palma forrageira voltou a ser cultivada em larga escala pelos criadores das bacias leiteiras, principalmente em Pernambuco e Alagoas. Estima-se existirem hoje, no Nordeste, aproximadamente 500.000 hectares cultivados, constituindo-se como uma das principais forrageiras para o gado leiteiro. Entre tantas pragas que atacam a palma nos dias atuais, a que ofereceu maiores dificuldades, desde os anos de 2008, foi a cochonilha do carmim. Tem sido fácil o seu reconhecimento, pois as fêmeas adultas se apresentam com o corpo ovalado, coberta por uma cerosidade branca que, ao ser esmagada, escorre um conteúdo de cor avermelhada, caracterizando os representantes do gênero Dactylopius. No Brasil, essas pragas encontram-se presente nos estados de Sergipe, Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte.