O queijo de coalho em Pernambuco: histórias e memórias - Page 19

Introdução INTRODUÇÃO Este trabalho situa-se nos espaços da história em suas relações e memórias que envolvem o leite, busca inicialmente suas origens no mundo antigo e tece discussões na trajetória da pecuária que, após milênios de existência, fez-se presente nas terras que foram correntemente denominadas de Brasil. Revela-se com a presença de europeus, no encontro com as populações indígenas, nessa área que vai marcar uma ação colonizadora de portugueses, espanhóis e holandeses, especificamente. Nessa perspectiva o estudo da produção leiteira tornou-se possível a partir de um diálogo com diferentes fontes históricas no aprofundamento sobre um dos seus derivados, o queijo, especificamente com uma de suas variedades, o conhecido queijo de coalho. Fomos à procura das memórias e lembranças culturalmente construídas, de maneira a alcançar uma compreensão histórica mais ampla do queijo de coalho na região do Agreste do Estado de Pernambuco. A região, que constitui o cenário mais específico da pesquisa, permitiu esse encadeamento com a história universal na perspectiva da construção de uma história articulada com a memória local, a partir da demanda de criadores de gado leiteiro, contemporaneamente produtores de queijo de coalho. Tal relevância se faz aos que trazem, de forma coletiva e consigo a perspectiva de sustentabilidade familiar, na especificidade produtiva do queijo, de maneira que possam contribuir para a efetivação de políticas públicas que contemplem o fortalecimento do Nordeste do Brasil. Inicialmente, a busca de interesse destes autores foi despertada por diferentes motivações voltadas a essa região do Estado, polarizada como Região de Garanhuns, ao serem também envolvidos pelas origens e vivências interioranas. Os autores, com formação profissional em História, Arquivos e Tecnologias em Laticínios, integram instituições acadêmicas e tecnológicas do Estado de Pernambuco, com atuação na Universidade de Pernambuco (UPE) e no Instituto de Tecnologia de Pernambuco (ITEP), vinculados, por meio de convênios, com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco (SECTI). A partir de dados históricos, buscou-se também o aprimoramento técnico e enriquecimento interdisciplinar de diferentes aprendizagens que se constroem num espaço geográfico e temático da pecuária e de seus derivados, para chegar ao resultado final apresentado neste livro. 17