Master of Simplicity Magazine #5 Setembro/Outubro 2017 - Page 44

modo como a família opera em geral, e como as suas memórias e amigos não eram dependentes das suas coisas. Ela transformou-se em uma das minhas crianças mais minimalistas! E, ironicamente, sentada aqui agora, a minha filha de cinco anos está ditando para mim uma lista de aniversário que inclui o trailer de acampamento da Barbie, ao mesmo tempo que me trouxe um saco com Barbies que ela não quer brincar mais e que quer doar. Aqui temos os dois lados da mesma moeda!

M.O.S.: De que forma o seu comportamento minimalista afetou os seus filhos e o seu marido?

S.H.: Ser mãe e esposa minimalista em uma casa com 9 pessoas que não são minimalistas, torna a dinâmica muito interessante. Como mães, nós temos um papel muito forte nas nossas famílias, e as nossas ações e atitudes, muitas vezes, definem o tom da casa. Honestamente, eu não acho que a minha família compreenda todos os benefícios que vêm da minha tendência minimalista, já que sempre foi uma norma. Eles entendem melhor quando visitam as casas dos amigos que estão esmagadoramente confu-sas ou bagunçadas, e aí eles con-seguem perceber, a certo nível, que não ter muitas coisas, torna a vida mais fácil. Quando eles expressam desejo por algo, muitas vezes, a única coisa que faço é questioná-los se realmente querem algo mais para limpar e para cuidar, e aí eles reconsideram. Em relação ao meu marido, ele aprecia a minha identificação pelo minimalismo.

Todas as relações requerem res-peito e compromisso para poderem ser saudáveis. Eu posso ter uma con-versa boa sobre minimalismo e organização, mas a realidade é que eu vivo numa casa com mais nove pessoas que amo. Entrando na minha casa você não pensa imediatamente minimalismo! Pode surpreender-se pois não temos mais coisas, especi-almente se você espreitar em armários e roupeiros, mas a nossa casa trans-parece um ambiente saudável. Há muita vida aqui!

Enquanto o meu sonho de ambiente de casa seria ter menos coisas, eu entendo que a minha família é feita de indivíduos que desejam ser amados e aceites como são. Há crianças, adolescentes, jovens, um cão e um gato - somos mesmo normais! Eu tive de aprender, e honestamente ainda estou aprendendo, a valorizar as relações acima de ter as coisas do exato modo como eu as quero. O meu minimalismo trouxe-lhes muitos benefícios mas eu sei quão fácil é também frustrá-los com isso. Encontrar um equilíbrio é importante para mim.