Master of Simplicity Magazine #5 Setembro/Outubro 2017 - Page 28

MASTER OF SIMPLICITY: Porque escolheu o nome "The Minimalist Plate" (O Prato Minimalista) para o seu site?

ZOë KIM: Todos os dias o nosso prato está cheio - cheio de coisas. Os nossos calendários estão ocupados, os nossos armários são abarrotados e as nossas mentes estão cheias. The Minimalist Plate vem da expressão: "O meu prato está cheio". Isto é o que algumas pessoas respondem quando convidadas para um compromisso ou um projeto, mas estão muito ocupadas para participar. Haverá momentos em que estamos completando de forma produtiva as tarefas necessárias em nosso prato. Muitas vezes teremos que dizer não, mas a questão importante é: o nosso prato está cheio de quê? Estarão os nossos pratos cheios de coisas que alimentam a nossa alma ou que roubam os nossos recursos?

The Minimalist Plate é sobre limpar o seu prato de todas essas distrações. Removendo a desordem e o ruído que está tomando o tempo e a energia de conquistar o nosso propósito.

M.O.S.: Quando (e como) foi a primeira vez em que você se sentiu oficialmente minimalista?

Z.K.: Eu penso que o que está no interior (no seu coração, paixão, propósito) é o que determina como você se sente - não necessariamente as suas circunstâncias externas. Então, com isso em mente, foi durante uma fase ocupada em 2010 que eu decidi que tinha o suficiente de consumo excessivo na minha vida e comecei a fazer mudanças. A partir desse momento, tenho sido mais intencional em viver atentamente com um filtro minimalista na minha vida. Quando recusamos o que não agrega valor, temos mais espaço para aquilo que importa.

M.O.S.: Considerando que tem quatro filhos, de que modo o minimalismo melhora a sua rotina familiar?

J.K.: Com menos coisas na casa para cuidar surgem mais oportunidades para passar tempo de qualidade com a minha família. Todas essas pequenas coisas em nossas casas realmente conduzem a energia mental perdida. Ter menos significa que as nossas rotinas de manhã à noite têm menos distrações. Não estamos gastando o nosso tempo procurando itens perdidos ou contemplando o que vestir.

M.O.S.: Como você usa (aplica) o minimalismo com os seus filhos? Utiliza estratégias especiais?

J.K.: Nós permitimos que os nossos filhos tomem as suas próprias decisões e demonstramos para eles o porquê do minimalismo. Nós ensinamo-los a serem conscientes através do reforço e do encorajamento positivo. Algumas abordagens mais úteis que eu encontrei são sobre ensinar-lhes que aplicar um filtro minimalista em suas vidas não é sobre a depravação. É o mais em menos. Trata-se de questionar a si mesmo o que realmente agrega valor e remover o resto. A simplicidade voluntária é um privilégio, e dar coisas que não usamos nem adoramos sempre nos faz sentir melhor do que mantê-las.

Algumas outras maneiras práticas que nos fazem reforçar a simplicidade e o minimalismo é torná-los divertidos. No passado, destralhamos a sala de estar juntos e depois celebramos isso com uma noite de cinema naquela sala. Oferecer uma recompensa prática com o trabalho pode ser motivador e permitir-lhes experimentar os benefícios em primeira mão.

M.O.S.: Os seus filhos têm o mesmo perfil minimalista ou há algum mais acumulador que outro?

J.K.: Todos são definitivamente diferentes e alguns tendem a ser mais apegados do que outros. Como somos todos diferentes, assim são os nossos filhos, então ajustamos as nossas estratégias de acordo com cada criança.

M.O.S.: Você compartilhou fotografias maravilhosas dos quartos dos seus filhos. Qual é o seu maior conselho para os pais?

J.K.: Torne modelo o que importa. Simplifique as suas coisas (felizmente) antes de pedir-lhes. Na maioria das vezes, os mais novos vão querer juntar-se ao verem seus pais aderirem aos benefícios da simplicidade em suas vidas. O meu segundo conselho é começar a falar sobre os benefícios de possuir menos durante conversas casuais. As crianças podem ouvir-me dizer coisas como "com menos coisas no teu quarto, podemos montar a tenda e fazer uma festa do pijama". Pense sobre o que os motivaria a trocar suas coisas por experiências e prossiga daí. É incrível o quão realmente benéfico pode ser, para os pais e as crianças!

M.O.S.: O que as pessoas que procuram você têm em comum ou diferente, considerando todos os estados e países onde você esteve?

J.K.: Intencionalidade para viver uma vida melhor com menos coisas.