KAIROS Edição Especial - Dia Aberto 2015 - Page 7

-A cristalização do saber e compulsão à repetição: a repetição dos casos ou repetição dos textos (numa prática tão recorrente de voltar aos textos ou casos descritos há 50 ou 100 anos);

-A identificação adesiva, no adoptar de uma linguagem ou estilo (do formador) mas que não corresponde a verdadeiro desenvolvimento pessoal;

-Uma formação que é só forma, sem conteúdo: uma casca que ignora a realidade-real das pessoas.

Não é o que queremos para as crianças, para os jovens, para os formandos, ou para os psicólogos.

2. Problemas da qualidade

Se a formação não vem pela repetição, vem pela

-Construção de conhecimento: Pelo rigor de cada construção, a partir das pessoas, dos dados e da observação;

-A terapia não é uma redução aos quadros teóricos (disso está cheia a psicologia-higiénica dos nossos dias, em que as pessoas se reduzem aos instrumentos de recolha de dados);

-Uma linguagem que comunique efetivamente.

3. Problemas da criatividade

-A inquietação vem com o desconhecido (que é quase tudo, porque é o que vem);

-A criatividade tem a ver com a vontade de comunicar (porque o indizível não tem formas de ser comunicado);

-A criatividade tem a ver com o expressar (e expressar-se), que é construir mais realidade(s)...

Como diz Pessoa:

O poeta é um fingidor

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,

Na dor lida sentem bem,

Não as duas que ele teve,

Mas só a que eles não têm.

-Criatividade é Liberdade, porque para além do comunicado está o desejo (que é mais interno e, por isso, inacessível enquanto tal).

7