Inominável Nº 3 - Page 9

E assim se vive na ilha, como que num lapso no tempo, algures entre um passado shabby chic, vintage ou retro, reflectido até mesmo em séries televisivas (podemos rever o Alô Alô, o detective Columbo, A casa da pradaria, Um anjo na terra, Dra. Quinn), e um presente moderno e por vezes meio louco, como se não houvesse um amanhã a ser vivido, a julgar pelas noites algo wild e sempre regadas com bastante álcool.

Mas, apesar de às vezes eu pensar que estou na ilha da fantasia, existe muita consciência social e do mundo que nos rodeia, algo que aqui é incutido desde a tenra idade de quatro anos, que é como quem diz, quando as crianças começam a vestir a farda da escola, prematuridade do ensino que ainda não consegui entender. Mas estas questões serão faladas no próximo número.

Por agora ficam com este “cheirinho” a histórias de encantar, dignas de um guião escrito pelos irmãos Cohen. Deixemos as coisas sérias para outra altura, porque ainda estamos no rescaldo do mês do amor, e vamos entrar na primavera, mergulhar nas suas cores e nuances...por aqui com muitas flores, patinhos e esquilinhos, e coisas assim fofinhas e primaveris às quais vou tirar umas fotografias para vos mostrar!

É altura também de saborear o sol cansado do inverno, cuja luz menos envergonhada traz o calor da esperança e da força renascida. Renovem-se, por dentro e por fora! E, as usual...

See you soon!

Nº 3 - Abril, 2016

9