Inominável Nº 3 - Page 21

Mariazinha (peço desculpa) Violeta:

Devo primeiramente elogiar o seu espírito jovem e a disposição para se atirar aos leões depois de uma vida de dispensável candura e moralidade. Os pecados existem para Deus perdoar: se não os cometermos, o lá de cima não tem trabalho. Pode conferir com o padre da paróquia mais próxima se não é assim. Portanto, não se tendo aventurado no pecado antes não é tarde para corrigir essa falha. Uma jovem de 96 ainda tem muita chance para falhar aos olhos de Nossa Senhora – amén.

Em relação aos medos que listou, o primeiro conselho – e mais importante – que lhe posso dar, é que deixe imediatamente de ler a Bravo. Esse conselho da sinceridade é dos mais tontos que praí tenho ouvido. Todos os incómodos com fluidos, pelumes e aparelhos ortopédicos devem ser endereçados com calma e desvios sérios à honestidade. Por exemplo, se ele solta gases ou cheira a naftalina, o que a dona Violeta faz é dizer que prefere namorar no jardim. Não magoa o seu amado e desfrutará de mais oxigénio.

Além disso, revistas como a Bravo não a vão ajudar tanto como uma edição da Playboy (das antigas, antes de aquilo ser comprado pelos puritanos do sétimo dia) ou uma Penthouse. A sua amiga Bina que a ajude a encontrar uma dessas, ela que até fez o sexto ano à noite.

Os seus próprios possíveis defeitos: assuma-os! Incontinência? Use fralda inteira que faz o mesmo efeito push-up ao rabo que as calças especiais da Salsa, mas mais com extra de toque fofo.

Agora a sua pergunta final, a que lhe encanita o espírito e lhe tira as noites de sono enquanto não acontecer o tal beijo com o Zé Tó: aos noventa e seis anos a nossa língua ainda estica o suficiente para tocar na campainha da pessoa de quem se beija?

Só há uma resposta possível e também vai no sentido de tirar partido das benesses da vida em idade avançada. Se vir que no meio da bedunguice de babas, depois do toque inicial de lábios e da abertura pescada-de-supermercado da boca, não está a chegar com esse músculo, que é o mais forte do corpo humano, à campainha do Zé Tó, desloque suavemente a placa, empurre-a para a frente da língua e complete assim a ação de bater no gongo.

Boa sorte!

Pronto. Mostrei à Bina e ela disse que se eu tivesse tido um boyfriend quando era nova agora não tinha estas coisas e até me aconselhou a pintar o cabelo de cinza, que naquela coisa do consciente ou inconsciente, se eu estiver na moda o meu cérebro assume que estou mais nova e tipo, isto passa-me.

Também me disse que os meus espirros podem ser da alergia à naftalina que ele usa no bolso dos casacos mas eu já não sei nada e agora tipo, estou bué confundida e a única coisa que quero saber é:

Aos noventa e seis anos a nossa língua ainda estica o suficiente para tocar na campainha da pessoa de quem se beija?

11.

12.

Tipo, e os puns? O DJMel (chama-se Bernardino mas passa música nas matinés de Sábado) que partilha quarto com ele disse-me há dias, quando víamos o “Preço Certo” que ele sofre disso, de gases (hihihihihihi). Se ele soltar um devo continuar a beijá-lo?

MESMO QUE CHEIRE MUITO MAL?

21

Nº 3 - Abril, 2016