Inominável Nº 2 - Page 31

. A tua mãe só pode ser uma ostra para cuspir uma pérola como tu.

. Se é verdade que somos o que comemos, eu amanhã poderia ser tu.

. Tu aí cheia de curvas e eu aqui sem travões.

. Tens uns lábios que faziam feliz qualquer chupa-chupa.

. Se eu fosse jardineiro nunca te faltava água.

. Quem me dera ser talhante para te pôr a mão na febra.

. Contigo ia achar petróleo.

. Princesa tu comigo eras rainha.

. Tens umas curvas que parecem cebolas: são de comer e chorar por mais.

. Bem me parece que és católica. É que “balha-me” Deus!

Agora repare, não somos contra o uso dos elogios atrás referidos. Aliás, acreditamos plenamente que usados na hora certa evitam coisas menos aconselháveis como ver séries apelidadas “The Good Whife”. Mas não queremos - sejamos claras, nem tal poderíamos aconselhar - que vão contra a lei. Por isso aos domingos, quando se sentar na cadeira de roupa íntima rendada e bem perfumada e sentir que o seu marido se prepara para lançar destas obras de arte, aumente o som da televisão, ponha a Teresa Guilherme aos gritos e peça para ele lhos dizer ao ouvido.

Vai ver como as coisas serão muito mais entusiasmantes e o dia dos namorados será passado a dançar. Na horizontal, vertical ou como preferir.

Cara Anónima,

De facto, somos obrigadas a concordar: algo vai mal na sua relação. Não queremos com isto dizer que seja o fim da macacada e que, de repente, se veja nos meandros do divórcio. Mas deverá assumir uma postura mais cuidadosa em alguns aspectos.

Por exemplo: estar sentada no sofá a um domingo à noite? Isso é cair na rotina. Se for ver nos exemplos credíveis de vida que são as novelas, o primeiro passo para o fim, as lutas pelos catraios, as partilhas das jóias, é o sofá aos quadrados da sala. Não entre nessa tentação. Abuse. Desfrute do que a vida lhe pode oferecer. Caia na loucura de se sentar numa cadeira, por exemplo. De se deitar na mesa enquanto conta quantos mamilos à mostra levam as meninas dos reality shows. De se ajoelhar na carpete a catar pelos de gato. Faça qualquer coisa mas evite o sofá. Sobretudo faça qualquer coisa com uma lingerie sexy, as pernas depiladas e aquele perfume especial.

Por que é que dizemos isso? Porque até o seu marido lhe pede para fazerem algo juntos. E claro está, se a nossa querida estiver de rendinha nas nádegas, bem depilada e cheirosa ele não terá a tentação de pedir opinião à mãe, podendo logo os dois passar para filmes mais apelativos com sombras à mistura.

Depois, indo directas ao assunto que a apoquenta: “dançar na horizontal” não se enquadra no tipo de ilícito plasmado na nova lei. Esteja descansada, respire fundo. Aliás, a bem das coisas e para não se afligir tanto, aconselhamos a que aponte, numa folha bem visível, os piropos que deverá instruir o seu marido a não dizer. Cole-os, por exemplo, na porta do frigorífico e use-os como analogia para referências futuras:

31

Nº 2 - Fevereiro, 2016