Inominável Nº 2 - Page 12

Mas o amor como grande impulsionador do cinema está outrossim presente na indústria cinematográfica ocidental. E desde os primórdios. Actores como Douglas Fairbanks, Rudolfo Valentino e obviamente Charlie Chaplin usaram o amor, com todas as suas venturas e desventuras,

Só na Índia, um dos países com maior produção cinematográfica do mundo, as histórias de amor apresentadas no grande “écran” sucedem-se. Naturalmente, são as enormíssimas comunidades espalhadas pelo mundo as grandes consumidoras deste tipo de cinema, quase sempre acompanhado de músicas e danças. Um dos filmes mais célebres é o Sholay e remonta a 1975, sendo um excelente exemplo do que acabei de escrever.

lguém será capaz de imaginar o cinema sem o tema do amor? Alguém conseguirá calcular quantos filmes se fizeram sob a capa de um dos sentimentos mais incondicionais da natureza humana?

Amor e cinema:

a mistura perfeita!

por José da Xã

12

A