Inominável - Ano 2 Inominável Nº9 - Page 74

74

Fechou a porta do quarto, ligando a luz do candeeiro de cabeceira, e retirou do bolso a folha que caíra do livro de Escarlate. Abriu-a cuidadosamente - um papel amarelecido e fino, com palavras escritas à máquina sobre linhas negras. Estendeu-o sobre a cama. Era um certificado de nascimento. Perscrutou os dados com minúcia: a data de nascimento era a mesma que a sua. Levantou-se e trouxe o seu próprio certificado de nascimento para cima da cama, metendo os dois papéis lado a lado. Todos os dados, excepto o seu nome e o nome dos progenitores, eram idênticos. Até o local de nascimento, o que a intrigou. Naquele que encontrara em casa de Escarlate havia um pai e uma mãe, nomes completos e comuns da terra lá de baixo. No seu havia apenas um nome como progenitor, o da sua guardiã, e um carimbo de Aperos, embora o local de nascimento fosse um hospital e não um dos lugares onde as mulheres davam à luz na aldeia.

Ignis nunca tinha reparado nisto. Sabia que o seu certificado de nascimento estava guardado juntamente com várias fotografias suas de criança e outros documentos importantes, mas nunca tinha perdido muito tempo com ele. Gostava de ouvir Sora falar sobre o quão pequena era, ou sobre as peripécias que lhe tinham acontecido em criança, mas sempre assumira que nascera ali, na terra do gelo e do fogo.

Abanou a cabeça, não estava a pensar direito. O outro certificado não era seu, o nome era completamente diferente. A sua mãe, a sua guardiã - denominação usada em Aperos - era Sora e não os dois nomes estranhos que se estendiam sobre a outra folha. Tudo o resto era igual, no entanto, e ela sentiu uma pontada de suspeita, feita da mesma intuição que a levara a guardar sorrateiramente o papel no bolso quando este lhe caíra aos pés, em vez de o entregar a Escarlate ou de colocá-lo de volta ao lugar de onde tombara.

Olhou os dois papéis durante muito tempo, até os olhos lhe pesarem, dando voltas à cabeça para entender a semelhança: gémeos, foi a conclusão a que chegou, sentindo o coração a bater mais rápido. Antes de os seus olhos se fecharem involuntariamente, no entanto, um momento de lucidez tomou conta dela: gémeos não têm pais diferentes.