Inominável Ano 2 Inominável Nº6 - Page 64

dos jornais e entrou nas agendas políticas de alguns partidos. As redes sociais também têm ajudado a que este tema passasse a ser mais divulgado e a que muito mais pessoas se apercebessem do que se passa um pouco por todo o lado.

Basta abrirmos o Facebook para deparamos com inúmeros casos de abandono, atropelamentos, ninhadas não desejadas largadas no lixo, maus tratos de donos incompetentes e acima de tudo a dificuldade crescente de quem não consegue ficar indiferente ao sofrimento animal. Não há quem não se alegre quando vê um resgate bem-sucedido ou a notícia de mais um animal que saiu das ruas, onde estão sujeitos a todos os perigos. Mas - e há sempre um mas… - e depois?

A verdade é que não existem casas para todos os animais que nascem neste país e a esterilização, estranhamente, ainda é um assunto tabu para grande parte da população, pelo que todos os dias surgem novas ninhadas que vão engrossando o número de animais que precisam de ser cuidados.

Os canis municipais são, a maior parte deles, depósitos de animais sem quaisquer condições, onde grassa a doença e onde muitos e muitos animais acabam por ser mortos quantas vezes apenas para dar lugar a outros. Basta um animal ser mais velho ou precisar de cuidados veterinários para ser abatido.

As associações, que vivem da boa vontade dos voluntários e dos donativos que vão angariando, já ultrapassaram há muito a sua capacidade e lutam todos os dias com a impossibilidade de proporcionar cuidados dignos aos animais que tentam proteger. E os chamados protectores, gente que não

Tudo Pelos Animais

Solidariedade Animal

M

64

uito se fala acerca da protecção animal, especial-mente desde que o assunto passou a ocupar as páginas

A verdade é que não existem casas para todos os animais que nascem neste país e a esterilização, estranhamente, ainda é um assunto tabu para grande parte da população, pelo que todos os dias surgem novas ninhadas que vão engrossando o número de animais que precisam de ser cuidados.

Os canis municipais são, a maior parte deles, depósitos de animais sem quaisquer condições, onde grassa a doença e onde muitos e muitos animais acabam por ser mortos quantas vezes apenas para dar lugar a outros. Basta um animal ser mais velho ou precisar de cuidados veterinários para ser abatido.

As associações, que vivem da boa vontade dos voluntários e dos donativos que vão angariando, já ultrapassaram há muito a sua capacidade e lutam todos os dias com a impossibilidade de proporcionar cuidados dignos aos animais que tentam proteger. E os chamados protectores, gente que não