Inominável Ano 2 Inominável Nº6 - Page 52

52

Esta minha “viagem” teve o seu ponto de partida no início do ensino secundário, mais concretamente na disciplina de História de Arte. A beleza das artes plásticas é algo que se sente e se vê. Este sentimento foi aumentando com o passar da aprendiza-gem, com o estudo de vários autores/artistas, de cada obra que me foi dada a conhecer. Cada um de nós tem os seus artistas preferidos, as correntes artísticas com que nos identificamos mais e obras plásticas que nos fazem sentir intensamente.

O artista plástico de quem irei falar neste primeiro artigo é Miguel Ângelo. Um dos maiores artistas plásticos de sempre. Sou uma apaixonada pelas suas obras, esculturas, pinturas, desenhos, construções arquitetónicas, ou seja, por tudo que ele representa e por tudo o que ele criou. Passados alguns anos, pude finalmente contemplar a grandiosidade e beleza de algumas obras de Michelangelo. Sinto me uma privilegiada por isso.

A criação artística de Miguel Ângelo é sempre uma explosão de sentimentos. Ele conduz-nos ao centro da sua criação, transmitindo-nos uma grande segurança. Mostra-nos a sua personalidade e independência absoluta. Miguel Ângelo acreditava que a sensibilidade para entender e ver a beleza era um elemento fundamental ao artista criador.

Foi uma das grandes e importantes figuras do Renascimento. Apesar de ter perpetuado os Papas e figuras nobres para quem trabalhou, viveu sempre em oficinas onde dava vida às pedras, e modificava as paredes para sempre com cenas irrepreensíveis. Teve uma vida de trabalho árduo e contínuo. Viveu entre sujidade, tintas, ferramentas e pedras. O artista e a sua obra ficarão para a eternidade.

Histórias de Arte

Miguel Ângelo

por Alexandra Coelho

https://www.flickr.com/photos/barberenc/280725198

Miguel Angelo - Pietro Freccia