Informativo ABECO Informativo No 3 (out-dez 2015) - Page 3

Informativo da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação Número 03 – Outubro a Dezembro de 2015   OPINIÃO  ( conanuação )   Frente   ao   descrito,   observa-­‐se   de   forma   clara   que   muito   do   que   está   disponível   para   informação   refere-­‐se   a   noHcias   sem   cunho  cienHfico,  com  o  detalhe  de  aqui  ter  sido  ilustrado  somente  para  a  fauna  de  peixes.  Diante  das  centenas  de  imagens   chocantes  de  peixes  mortos,  poucos  pararam  para  refle5r  sobre  uma  tragédia  oculta.  A  grande  maioria  das  fotos  retratava   espécies   exó5cas   à   bacia:   dourado,   mandi,   bagre-­‐africano,   5lápia,   carpa,   curimba,   pacamã,   piranha,   cascudo-­‐abacaxi,   tucunaré,  etc...  que  infestavam  as  águas  e  certamente  estarão  de  volta  no  rio,  talvez  mais  rápido  que  as  espécies  na5vas.   Muitas  dessas  espécies  exó5cas  foram  salvas  durante  a  operação  “Arca  de  Noé”,  mostrando  o  quanto  equivocada  foi  essa   a5tude  intempes5va.     Nesse   momento   é   necessária   uma   reflexão   profunda   e   que   ações   concretas   e   bem   direcionadas   sejam   adotadas   com   urgência.  Não  há  muitas  dúvidas  que  a  área  cujos  impactos  serão  mais  dificilmente  contornados  é  o  trecho  entre  a  barragem   de  Fundão  e  o  reservatório  da  UHE  Risoleta  Neves  (115  km  de  extensão).  Usando-­‐se  os  conhecimentos  disponíveis  sobre  a   bacia   hidrográfica   e   sua   biota,   fica   claro   que   os   afluentes   representam   o   elemento   chave   para   a   recuperação   das   áreas   afetadas,  e  dessa  forma  necessitarão  atenção  e  cuidados  especiais  (12,  13).    Cabe  ainda  destacar  que  a  UHE  Risoleta  Neves   foi  fundamental  na  atenuação  da  maior  parte  da  onda  de  cheia  com  sedimentos,  razão  pela  qual  se  encontra  extremamente   assoreada.   Abaixo   da   mesma   a   propagação   da   onda   ficou   re5da   dentro   da   calha,   como   em   uma   cheia   de   proporções   menores  quando  não  são  alagadas  as  regiões  laterais.  Destaca-­‐se  aqui  que  a  manutenção  atual  do  reservatório  da  UHE  nos   seus   níveis   mais   baixos   para   atenuar   os   impactos   de   um   acidente   adicional   pelo   rompimento   de   outra   barragem   de   rejeitos,   cons5tui   uma   situação   minimamente   temerária.   Essa   decisão   deveria   ter   sido   baseada   em   laudo   oficial   emi5do   por   técnicos   com  formação  para  tal,  e  não  por  um  despacho  unicamente  jurídico.     Ao  longo  desse  período  ficou  extremamente  claro  o  quanto  estamos  longe  de  ter  planos  de  con5ngenciamento  adequados   para  um  acidente  dessas  proporções.  Esse  fato  resulta  em  questões  ainda  sem  respostas,  encaminhamentos  inadequados  ou   com  dados  completamente  conflitantes,  sendo  bom  exemplo  os  elementos  químicos  dispersados  pela  água  ou  presentes  no   sedimento.  Entretanto,  se  con5nuarmos  a  pautar  a  questão  sob  a  ó5ca  do  sensacionalismo  desprovido  de  base  cienHfica,   certamente  não  teremos  êxito  para  alcançar  a  desejada  recuperação  ambiental.     Todos  os  documentos  usados  para  elaboração  desse  texto  estão  em  formato  PDF  e  se  encontram  disponíveis  em  arquivo  compactado  (zip)  no  seguinte  link   permanente:  hyp://www.mediafire.com/download/xuo5ppwhabqq3m6/ABECO_Documentos_FVieira_2015_correto.rar         N&C  publica  seu  primeiro   white  paper     Já  está  quase  “saindo  do  forno”  o  primeiro  white  paper  da  revista  Natureza  &  Conservação.  Trata-­‐se  de  uma  modalidade  de   publicação   voltada   para   opiniões   sobre   questões   variadas   em   ecologia   e   conservação,   que   deverá   alcançar   um   público   não   necessariamente  cienHfico,  como  tomadores  de  decisão,  gestores  e  demais  atores  que  fazem  aplicações  prá5cas  da  ciência   ecológica.  Neste  primeiro  ar5go  é  feita  uma  análise  crí5ca  da  Lei  de  Proteção  da  Vegetação  Na5va  de  2012,  que  subs5tuiu  o   an5go  Código  Florestal.  Segundo  Pedro  H.  S.  Brancalion,  um  dos  autores  do  documento,  esse  ar5go  “retoma  o  debate  sobre   temas   polêmicos   e   atuais   da   nova   lei,   buscando   orientar,   com   base   no   conhecimento   cienHfico   disponível,   a   tomada   de   decisão  por  parte  do  poder  judiciário  e  governos  estaduais.  Trata-­‐se  de  um  momento  crucial  para  a  efe5vidade  da  lei”.  Pontos   polêmicos   da   Lei,   tais   como     o   julgamento   de   Ações   Diretas   de   Incons5tucionalidade   pelo   Supremo   Tribunal   Federal,   a   regulamentação   do   Programa   de   Regularização   Ambiental   pelos   Estados,   e   a   implementação   do   Cadastro   Ambiental   Rural   serão  deba5dos.  Além  de  Pedro,  o  white  paper  é  assinado  pelos  associados  Rafael  Loyola,  Ricardo  Rodrigues,  Valério  Pillar,   Thomas  Lewinshon  e  por  LeHcia  Garcia.    O  documento  será  produzido  em  forma  impressa  e  disponibilizado  aos  associados  e   demais  interessados.  Aguarde!   AGENDA   12  a  17  de  junho  de  2016  -­‐  Pirenópolis  -­‐  GO   -­‐   5 9 t h   A n n u a l   S y m p o s i u m   o f   t h e   I n t e r n a 5 o n a l   A s s o c i a 5 o n   f o r   t h e   Vegeta5on  Science  –  IAVS     16  a  19  de  outubro  de  2016  -­‐  Gramado,  RS   -­‐     I   Reunião   da   ABECO   e   V   Simpósio   de   Ecologia  Teórica  –  Gramado  –  RS   ANUIDADE   EXPEDIENTE   Você   ainda   pode   efetuar   o   pagamento   da   anuidade  2015.  Existem  várias  maneiras  de   efetuar  o  pagamento.   As  informações  completas  podem  ser   ob5das  no  site  da  ABECO   www.abeco.org.br     Gestão  ABECO  2013-­‐2016     Presidente:  Valério  Pillar   Vice  Presidente:  Marcia  C  M  Marques   Diretor  Secretário:  Eduardo  Vélez   Diretora  Tesoureira:  Rosana  Mazzoni