Informativo ABECO Informativo No 3 (out-dez 2015) - Page 2

Informativo da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação Número 03 – Outubro a Dezembro de 2015 OPINIÃO     Entre  a  informação  e  a  desinformação:  a  diFcil   análise  de  um  acidente  ambiental   de  magnitude  nacional  sem  precedentes       por  FÁBIO  VIEIRA   Universidade  Federal  de  Minas  Gerais     Talvez  a  sociedade  brasileira  jamais  tenha  vivido  sob  a  cobertura  jornalís5ca  de  um  acidente  ambiental  tão  intensa  como  a   ocorrida  após  o  rompimento  da  barragem  de  rejeitos  de  Fundão,  de  propriedade  da  SAMARCO  e  localizada  em  Mariana  -­‐  MG.   Certamente   todo   o   interesse   se   deveu   à   magnitude   do   mesmo,   com   diversos   termos   sendo   usados   na   sua   designação:   “tsuLama”,  “avalanche  de  lama”,  “lama  tóxica”,  “dilúvio  de  lama”,  entre  outros  ( 1,  2,   3,  4 ).     Não  entrando  no  mérito  das  perdas  humanas  e  econômicas,  inques5onavelmente  de  dificílima  reparação,  uma  grande  parte   do   que   se   publicou   e   propagou   do   ponto   de   vista   ambiental   também   pode   ser   analisado   como   um   “tsunami   de   impropriedades”.  Não  há  como  em  um  espaço  exíguo  como  esse  relacionar  tudo,  mas  usando  somente  exemplos  da  fauna  de   peixes  exemplifico  a  questão:  “É  oficial:  o  rio  Doce  está  completamente  morto”  (5);  “Duzentas  espécies  de  peixes  do  rio  Doce   ameaçadas   pela   lama”   (6);   “Pescadores   convocam   'Arca   de   Noé'   por   WhatsApp   para   salvar   peixes   de   dilúvio   de   lama”   (4);   “Pesquisadores  descobrem  possível  nova  espécie  de  peixe  no  rio  Doce,  antes  da  lama”  ( 7);  “ Somente  a  próxima  geração  verá  o   rio  Doce  reviver”  ( 8).       Observa-­‐se  claramente  que  a  paixão  predominou  sobre  a  razão  e  a  Ciência.  O  processo  foi  rapidamente  catalisado  através  das   redes   sociais   e   uma   comoção   geral   tomou   conta   de   todos,   condição   que   em   poucos   dias   produziu   e   ainda   produz   uma   massa   incontável  de  “especialistas”  nos  mais  diversos  assuntos.  Nesse  período  parece  ter  sido  esquecido  muito  dos  conhecimentos   cienHficos  prévios  e  passou  a  imperar  o  desespero  cole5vo,  incluindo  o  de  leigos  e  profissionais.  O  que  se  observa,  passados   quase   dois   meses   do   acidente,   é   que   a   maioria   do   que   se   falou   e   escreveu   foi   dita   por   pessoas   que   sequer   sabiam   as   caracterís5cas   básicas   de   uma   bacia   hidrográfica   ou   da   biota   que   ocorria   no   rio   Doce.   Para   entender   melhor   essa   questão,   descor5no  rapidamente  as  passagens  a  seguir:     •  O   rio   Doce   está   morto:   dentro   da   bacia   hidrográfica   os   impactos   do   rompimento   da   barragem   de   Fundão   es5veram   restritos   à   calha   do   rio   Doce   e   seus   formadores   (rio   Gualaxo   do   Norte/Carmo).   A5ngiram   uma   extensão   de   aproximadamente   670   km   lineares   entre   a   barragem   e   a   foz   em   Regência   –   ES   (9),   e   não   853   km   (8).   Considerando   somente  para  efeito  de  análise  uma  faixa  média  de  calha  do  rio  com  largura  de  1  km  (superes5mado),  conclui-­‐se  que  a   área   afetada   dentro   da   bacia   seria   de   no   máximo   670   km 2   (calha   dos   rios   +   áreas   marginais   na   porção   alta).   Essa   área   representa  aproximadamente  0,81  %  do  total  da  bacia  do  rio  Doce,  es5mada  em  83.000  km 2 ,  portanto,  impossível  falar  em   “rio  morto”,  seja  para  qualquer  organismo  que  se  use  como  exemplo.  Uma  bacia  de  drenagem  é  infinitamente  maior  que  o   rio  principal!   •  A   citação   de   200   espécies   para   a   bacia   é   completamente   desprovida   de   fundamento   cienHfico.   O   levantamento   completo   da   fauna   de   peixes   conhecida   do   rio   Doce   relacionou   71   espécies   na5vas   (10).   Considerando   descrições   posteriores   e   espécies  novas  ainda  sem  conhecimento  formal,  poderíamos  extrapolar  para  80  espécies.  Portanto,  de  uma  única  tacada   ocorreu  um  aumento  de  150%  na  riqueza  de  espécies,  mais  que  uma  “superinflação  taxonômica”;   •  A   espécie   nova   de   piabanha   descoberta   em   Cola5na   foi   ilustrada   inicialmente   com   a   imagem   de   uma   curimba   (Prochilodus),   que   após   correção   foi   trocada   para   a   de   um   Brycon.   Entretanto,   mais   uma   vez   erraram   e   a   espécie   ilustrada   foi   um   B.   amazonicus,   exó5co   à   bacia.   Restou   o   desconhecimento   para   todos   da   verdadeira   piabanha   do   rio   Doce,   que   realmente  é  uma  espécie  nova  e  ameaçada  de  ex5nção,  mas  já  era  conhecida  e  está  em  processo  de  descrição  (Brycon   dulcis);   •  “Projeto  Arca  de  Noé”  se  propôs  a  recolher  os  peixes  no  ES  em  uma  extensão  de  145  km  de  rio  com  largura  superior  a  1   km  em  alguns  trechos.  Somente  por  essas  medidas  do  rio  já  se  teria  ideia  da  inocuidade  da  empreitada,  mas  mesmo  assim   foi   conduzida   com   ampla   aceitação   dos   diversos   setores   da   sociedade.   Piorando   o   cenário,   diversas   fotos   divulgadas   mostraram  espécies  exó5cas  sendo  “cuidadosamente  salvas”,  sendo  exemplo  a  piabanha  ( B.  amazonicus)  citada  acima.