Informativo ABECO Informativo No 2 (jul-set 2015) - Page 2

OPINIÃO     Governo  sanciona  o  novo  marco  legal     da  biodiversidade     por  RAFAEL  LOYOLA     Universidade  Federal  de  Goiás         A  biodiversidade  está  em  todo  lugar:  do  nosso  arroz  com  feijão  de  cada  dia  até  as  complexas  interações  entre  espécies  em   diferentes   ecossistemas.   Boa   parte   dessa   biodiversidade   tem   (ou   pode   ter)   um   valor   imensurável   para   a   prospecção   de   novos   produtos   para   a   indústria   e   para   a   pesquisa   genéAca.   Entretanto,   usar   os   recursos   genéAcos   oriundos   da   biodiversidade   brasileira   requer   autorização   e   regulação,   especialmente   no   caso   do   uso   econômico,   para   que   não   haja   biopirataria  ou  expatriação  dos  nossos  recursos  naturais  do  país.         Pois   bem,   no   dia   20   de   maio   de   2015,   a   presidenta   Dilma   Rousseff   sancionou   a   Lei   nº   13.123/2015,   que   define   o   novo   Marco  Legal  da  Biodiversidade.  A  Lei  define  e  regulamenta  o  acesso  ao  patrimônio  genéAco  e  ao  conhecimento  tradicional   associado   ao   uso   da   biodiversidade   no   Brasil   e   entrará   em   vigor   em   novembro   deste   ano,   subsAtuindo   um   decreto   anAgo.       O  objeAvo  da  nova  lei  é  simplificar  o  acesso  ao  patrimônio  genéAco,  agilizando  a  pesquisa  e  a  elaboração  de  contratos  de   reparAção  de  benescios.  No  Brasil,  qualquer  pesquisador  ou  empresa  para  ter  acesso  aos  recursos  genéAcos  e  desenvolver   um  produto,  por  exemplo,  precisava  de  uma  autorização  especial  do  Conselho  de  Gestão  do  Patrimônio  GenéAco  (CGEN),   vinculado  ao  Ministério  do  Meio  Ambiente  (MMA).  Com  a  nova  lei,  o  uso  da  biodiversidade  pelos  pesquisadores  tornar-­‐se-­‐ á  bem  mais  simples,  uma  vez  que,  caso  não  haja  benescio  econômico  associado  ao  uso,  bastará  com  que  os  mesmos  façam   um  cadastro  online  junto  ao  MMA.    Além  disso,  a  Lei  é  mais  inclusiva  e  representa  uma  conquista  para  os  povos  indígenas,   comunidades  tradicionais  e  agricultores  familiares,  que  passam  a  ter  assento  no  CGEN.  Portanto,  a  parAr  do  novo  marco,   eles   parAciparão   das   decisões   relacionadas   à   conservação   e   ao   uso   sustentável   da   biodiversidade   associada   aos   conhecimentos   tradicionais;   decisões   essas   tomadas   em   conjunto   com   os   outros   setores   da   sociedade   civil.   Todos   esses   atores   terão   direito   de   parAcipar   das   decisões   acerca   da   desAnação   dos   recursos   do   Fundo   Nacional   para   ReparAção   de   Benescios  (FNRB),  gerido  pelo  MMA.         O  novo  marco  legal  define  que  o  usuário  que  assinou  um  contrato  de  reparAção  de  benescios  terá  de  depositar  no  FNRB   1%   da   renda   líquida   obAda   com   a   venda   do   produto   acabado   ou   material   reproduAvo   oriundo   do   patrimônio   genéAco.   No   caso   de   exploração   econômica   de   produto   ou   material   reproduAvo   originado   de   conhecimento   tradicional   associado   de   origem  idenAficável,  o  depósito  no  FNRB  será  de  0,5%  da  receita  líquida  anual.  Segundo  a  nova  Lei,  também  será  possível  a   reparAção  de   benescios  na   modalidade   não   monetária,   por   meio   da   implantação   de   projetos   específicos   nas   comunidades   nas   quais   houve   acesso   ao   patrimônio   genéAco.   Vale   a   pena   lembrar   que   ficam   isentas   da   obrigação   de   reparAção   de   benescios   as   microempresas,   as   empresas   de   pequeno   porte,   os   microempreendedores   individuais,   os   agricultores   familiares  e  suas  cooperaAvas.         A  criação  e  diretrizes  para  depósito  no  FNRB  é  um  ponto  estratégico  da  Lei  que  ajuda  o  Brasil  a  cumprir  uma  das  metas   internacionais  com  as  quais  o  país  está  compromeAdo  por  ser  signatário  da  Convenção  sobre  Diversidade  Biológica  (CBD).   O  Plano  Estratégico  de  Biodiversidade  para  o  período  de  2011  a  2020  contém  20  metas  conhecidas  como  Metas  de  Aichi.   Uma  dessas  metas,  a  Meta  16,  diz  que  “Até  2015,  o  Protocolo  de  Nagoya  sobre  Acesso  a  Recursos  GenéAcos  e  a  ReparAção   Justa   e   EquitaAva   dos   Benescios   Derivados   de   sua   UAlização   terá   entrado   em   vigor   e   estará   operacionalizado,   em   conformidade   com   a   legislação   nacional”.   O   novo   marco   facilita   o   cumprimento   da   meta   e   coloca   o   país   em   destaque   frente  à  comunidade  internacional.     Finalmente,   as   infrações   contra   o   patrimônio   genéAco   e   o   conhecimento   tradicional   associado   serão   fiscalizadas   pelo   InsAtuto  Brasileiro  do  Meio  Ambiente  e  dos  Recursos  Naturais  Renováveis  (IBAMA)  e  pelo  Comando  da  Marinha  do  Brasil.   AGENDA     •  4  a  6  de  setembro  de  2015   Behavioral   Ecology   and   InteracAons   Symposium.  Uberlândia,  MG.   •  12  a  17  de  junho  de  2016   I n t e r n a A o n a l   A s s o c i a A o n   f o r   VegetaAon  Science  –   IAVS  Symposium.  Pirenópolis,  GO.   ANUIDADE   ATÉ  O  MOMENTO  TEMOS  APENAS  22%  DE   ASSOCIADOS  EM  DIA  COM  A  ANUIDADE  2015.       MANTENHA    SUA  ANUIDADE  EM  DIA  E  COLABORE   COM  O  CRESCIMENTO  DA  NOSSA  ASSOCIAÇÃO!!!   Acesse    www.abeco.org.br   EM  BREVE  ESTAREMOS  APRESENTANDO  A  NOVA   HOME   PAGE  DA  ABECO.  MAIS  MODERNA,  MAIS  INTERATIVA  E  MAIS  BONITA.   AGUARDEM!!!!