Informativo ABECO Informativo No 14 (jan-abr 2019) - Page 13

INFORMATIVO ABECO | Edição Nº 14 ciência. Aprender a identificar plantas na floresta poderia levar décadas de estudos taxonômicos e filogenéticos, especialmente se tratando de identificação de indivíduos estéreis. Planejar estudos de longo prazo para avaliar mudanças nos estoques de carbono é mais problemático ainda e envolve muitas complicações em termos de ciência, e também em termos de gerenciamento de equipes e das pessoas que são donas ou responsáveis pelos sítios de pesquisa. Isto seria muito difícil para a maioria dos pesquisadores e eles somente podem usar as informações disponibilizadas pelos pesquisadores de campo. Os primeiros autores nos trabalhos com muitos autores muitas vezes estão escrevendo sobre organismos que eles nunca viram no campo! Eles nunca coletaram dados e dependem da dedicação e visão da ciência dos pesquisadores que 13 coletaram os dados exercendo estas atividades “meramente técnicas”. O problema é mais complicado ainda com exigências de incluir conhecimento tradicional na pesquisa da biodiversidade. Muitas pessoas gastaram décadas - e alguns perderam suas vidas - na tentativa de obter essas informações no campo. Pesquisadores do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) e o Instituto Socioambiental (ISA) estão colaborando com grupos indígenas para que eles publiquem seus conhecimentos, mas os livros geralmente têm muitos autores. Como explicar para eles que somente o primeiro e o último autor contribuíram para a ciência? Se seguíssemos os critérios do primeiro autor do artigo da preguiça, as contribuições científicas de todos os indígenas poderiam ter sido relegadas à caixa de “meramente técnica”. Qualquer problema de âmbito nacional ou global e a maioria de estudos locais, hoje em dia requerem a colaboração de muitos pesquisadores. Os trabalhos de maior impacto são aqueles com maior interdisciplinaridade e inclusão de autores com muitos meios de fazer ciência diferente. Estes não são aglomerações de pesquisadores trabalhando aleatoriamente; normalmente somente os pesquisadores que planejaram fazer trabalhos integrados de longo prazo estão entre os autores. Fazer um sistema de avaliação que impeça que os pesquisadores colaborem, porque nem todos podem estar entre os primeiros autores, seria um desserviço para a ciência. Um assunto relacionado é sobre data papers como contribuição intelectual. Têm estudos mostrando que a maioria dos trabalhos publicados não pode ser replicada e geralmente nem podem ser avaliados em detalhe por falta de disponibilidade de dados. A maioria dos pesquisadores ainda não sabe como fazer os metadados necessários para interpretação correta