Informativo ABECO Informativo No 12 (mai-ago 2018) - Page 11

INFORMATIVO ABECO | Edição Nº 12 abertos. Um deles foi para a área de Ecologia de Populações e Comunidades. Senti que este seria a minha oportunidade, até porque a Universidade abriu o concurso para Professor Assistente, exigindo apenas o título de mestre (fato hoje quase que ocasional nas nossas universidades). Desde o mestrado eu sabia que queria ser professora universitária, tanto que ao finalizar o curso de mestrado fui professora horista em instituições de ensino superior no interior do Estado do Rio Grande do Sul e participei de dois outros concursos para docente na própria UFRGS. Me agarrei “com unhas e dentes” nos livros, e fui aprovada em 11 primeiro lugar no concurso, ingressando assim em janeiro de 1994 no Departamento de Ecologia da UFRGS. De novo, como na minha graduação, trabalhar e finalizar o curso de doutorado não foi nada fácil. Mas valeu a pena. Com o meu perfil de participar ativamente de todas as atividades em um departamento novo e começando minha vida, de fato, acadêmica (não que eu entendesse que antes era apenas uma aluna, muito antes pelo contrário, já sabia que era uma profissional – postura que vejo pouco nos alunos atuais dos cursos de doutorado...) participei de várias disciplinas, reformulei a disciplina de Ecologia Animal que depois passou a ser Ecologia de Populações e Comunidades (aquela que me fez enxergar a Ecologia como ciência), fui paraninfa da turma de formandos ao final de meu primeiro ano como docente, participei de cursos técnicos e de formação de professores, além de inúmeras atividades de extensão dentro e fora da Universidade. Em 1997, ano que obtive meu título de doutor, fui credenciada como docente no PPG Ecologia da UFRGS. Quando ingressei no Departamento assumi a coordenação do Laboratório de Ecologia de Peixes (fruto daquele grupo de pesquisa que iniciamos na época do mestrado). Encosta leste da serra geral do Rio Grande do Sul em São Francisco de Paula, RS Foto do Associado: Alexandre F. de Souza