Informativo ABECO Informativo No 10 (set-dez 2017) - Page 4

Informativo da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação Número 10 – Outubro a Dezembro de 2017 PERFIL DA ECÓLOGA A TRAJETÓRIA DE UMA ECÓLOGA PARA O ENSINO, PESQUISA E GESTÃO por MERCEDES BUSTAMANTE Professora Associada da Universidade de Brasilia - UNB Meu interesse pela área de Ciências Biológicas consolidou-se ainda durante ensino médio quando ?ve a oportunidade de receber formação profissionalizante como auxiliar de análises clínicas. Essa experiência permi?u contato com procedimentos analí?cos e prá?cas laboratoriais. Ingressei em 1981 no curso de Ciências Biológicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e graduei-me em Licenciatura Plena em 1984. Durante minha graduação realizei estágio no laboratório de Biotsica em linha de pesquisa sobre os efeitos deletérios da radiação UV sobre o DNA e mecanismos de reparo. Posteriormente, realizei estágio na área de Fisiologia Vegetal trabalhando com efeitos da salinidade sobre o crescimento e desenvolvimento de plantas. Em ambos os estágios meu interesse esteve centrado nos efeitos de estressores ambientais sobre o funcionamento de sistemas biológicos (inicialmente em nível celular e posteriormente em nível de indivíduo). Outro fator determinante nessa etapa de minha formação acadêmica foram as inúmeras oportunidades brindadas pela ins?tuição para a realização de excursões de campo que me permi?ram conhecer diversos ecossistemas. Par?cularmente marcante foi a par?cipação no projeto Rondon com a?vidades realizadas no campus avançado da UERJ em Parin?ns em 1982. Esse foi meu primeiro contato com a Amazônia e com as populações locais e despertou meu interesse para a diversidade dos sistemas socioambientais no Brasil. Durante as etapas relacionadas às disciplinas de formação pedagógica, ?ve também a oportunidade de par?cipar de projeto de acompanhamento de alunos da rede pública estadual do Rio de Janeiro. Tal experiência consolidou meu interesse pela atuação docente mas sobretudo pela necessidade de tornar o ensino de Ciências mais atra?vo e acessível. Após minha graduação, permaneci por um ano (1985) com uma bolsa de Aperfeiçoamento do CNPq junto ao Laboratório de Fisiologia Vegetal da UERJ. Nesse ano, trabalhei ainda como professora de Ciências da rede pública estadual do Rio de Janeiro, após ingresso por concurso público. Adicionalmente, pude atuar como professora subs?tuta na UERJ ministrando aulas de Fisiologia Vegetal.