Edição 562 Julho/Agosto revistaOE562_V2b_11OUT - Page 26

r o d o V I a s Pavimento de concreto � adotado em duplicação da BR-101 em Ala�oas Au�usto Diniz Trecho da BR-101, entre os km 46,35 e km 92,21, nos municípios de Rio Largo, Messias e Flexeiras, no centro-norte do Estado de Ala- goas, recebe obras de duplicação e restauração com emprego de pa- vimento de concreto. Os trabalhos devem terminar em maio de 2018 e se referem ao lote 3 de obra do Departamento Nacional de Infraes- trutura de Transportes (Dnit), realizados pela construtora SA Paulista. Hoje a obra está com pouco mais de 70% executada. Há sete obras de arte especiais novas e três existentes recebendo reforço e alargamento. As obras novas incluem passagens inferiores; pontes so- bre o rio Mundaú; viaduto sobre ferrovia desativada e viaduto na altu- ra do acesso a Murici. As obras de melhoria em estruturas existentes também envolvem ponte sobre rio e viaduto sobre ferrovia desativada. Fabiano Ranna, diretor de obras da SA Paulista, conta que no encontro do viaduto de Murici, houve a necessidade de se fazer uma contenção em solo reforçado, que consiste na execução de um ma- ciço composto por placas pré-moldadas de concreto, que funcionam como face da contenção. “A pressão do sistema é distribuída em ti- rantes, presas às placas que são colocadas dentro do solo na medida em que este é compactado durante a execução. Elas resistem aos esforços por conta do atrito desenvolvido no maciço”, expõe. O engenheiro relata, porém, que a atividade mais expressiva é a execução do pavimento rígido de concreto. A confecção da placa inclui uma série de materiais e serviços, dentre eles destacam-se barras de transferência, cimento, lona plástica, aço CA 50, treliça, concreto, cura química, corte de juntas etc. - o que requer uma boa gestão de logística. “Apesar de executar a placa com equipamento sofi sticado, este ser- viço envolve muitos trabalhadores treinados nas tarefas. Para a execu- ção da placa se utiliza um concreto com consumo mínimo de 350 kg/ m³, com resistência a tração na fl exão de 4,5 Mpa”, relata Fabiano. Após 6 horas da aplicação do concreto, é necessário executar o corte transversal/longitudinal na superfície formando as placas. “Este corte é essencial, pois induz a trinca no ponto projetado”, es- clarece. “Além disso, a norma estabelece que a placa de concreto obtenha um índice de irregularidade inferior a 240 mm/km. Todos esses fatores tornam complexa a execução da placa de concreto.” A obra no trecho da BR-101 em Alagoas entrou no pico entre os meses de janeiro a abril deste ano. Na época, 550 funcionários e 300 terceirizados se envolveram nos trabalhos. Atualmente, a obra tem 320 funcionários e 250 terceirizados, com 150 equipamentos em operação. Um estudo aponta que o movimento de veículos por hora em alguns pontos do trecho em obras deve quase triplicar nos próximos 15 anos. DADOS DA OBRA Pista projetada Escavação de 1ª e 2ª categorias 2.112.095 m³ Escavação de 3ª categoria 327.599 m³ Compactação de aterro 1.731.911 m³ Reforço subleito 186.158 m³ Sub-base de concreto de cimento Portland compactado com rolo (CCR) 79.778 m³ Concreto de cimento Portland com forma deslizante (PCP) 162.351 m³ 42 km Fresagem no revestimento betuminoso 4.850 m³ Concreto betuminoso usinado a quente 80.000 t Pista existente Implantação de faixa de segurança e acostamento 24 | | J u l h o /A g o s to 2017