Edição 562 Julho/Agosto revistaOE562_V2b_11OUT - Page 64

C o n s t r u ç ã o I n d u s t r I a l Monta�em e lo��stica refinada permitem entre�ar expansão da Fibria um mês antes do prazo O investimento no pro�eto de R$ 7,5 bil��es � um dos maiores �á feitos pela iniciativa privada no Pa�s Au�usto Diniz – Três La�oas (MS) O projeto Horizonte 2 está na fase fi nal de montagem e será entregue em setembro. É um mês antes do previsto inicialmente (outubro), aponta o engenheiro elétrico Mauricio Miranda Pe- reira, gerente geral do projeto. O motivo disso foi um preciso e afi nado trabalho de logística e montagem da nova linha de produção da planta da Fibria em Três Lagoas (MS), que tornará o complexo um dos maiores do mundo na produção de celulose, com capacidade de 3,25 milhões de t/ano. A expansão da planta se alinha com a vocação da companhia ao mercado externo. A produção inicial de celulose da nova linha já está inclusive vendida a Ásia - a demanda por celulose de fi bra curta na China continua crescendo de forma consistente, informa relatório fi nanceiro recente da empresa. A Fibria irá atender prin- cipalmente o setor sanitário - o chamado segmento tissue, que in- clui toalha de papel, papel higiênico, guardanapo, absorvente etc., que é o que mais cresce no mundo no mercado de papel e celulose. Da celulose produzida pela Fibria hoje, 54% são direcionadas ao segmento de papéis sanitários; 24% aos papéis especiais e 22% aos papéis de imprimir e escrever. “Embora todos os seg- mentos cresçam, inclusive papéis de imprimir, é no tissue que se 62 | | J u l h o /A g o s to 2017 apresenta maior potencial, fruto de avanços socioeconômicos, especifi camente na China”, explica Mauricio. AMPLIAÇÃO DA PLANTA A Fibria inaugurou sua primeira linha de produção de Três Lagoas em 2009 – a unidade foi instalada próxima de uma das fábricas de papel no Brasil da International Paper, que entrou em operação no mesmo ano. Mauricio foi gerente de obras também do primeiro projeto – segundo ele, por ter sido uma primeira implantação, os desafi os foram ainda maiores, por que a região possuía uma série de difi culdades estruturais. Em 2011, deu-se início aos estudos de ampliação da segunda linha, cujas obras deram largada em 2015. Quando começar a funcionar a segunda linha da Fibria, serão mais 3 mil postos de trabalho no empreendimento, in- cluindo a área fl orestal – eles se somarão aos 3 mil colabo- radores da operação existente. O investimento no projeto é um dos maiores já feitos pela iniciativa privada no País: R$ 7,5 bilhões (fruto de fi nanciamento de instituições públicas e bancos comerciais).