Edição 562 Julho/Agosto revistaOE562_V2b_11OUT - Page 18

e n G e n H a r I a G l o B a l Experiência internacional no Brasil Ferrovial é um dos principais operadores globais de infraestrutu- ra e de gestão de serviços a cidades, comprometida com o desenvol- vimento de soluções sustentáveis. A empresa conta com cerca de 96 mil colaboradores e presença em mais de 15 países. As atividades da Ferrovial desenvolvem-se através de quatro linhas de negócio: serviços (prestação de serviços urbanos e meio ambientais, manutenção de infraestrutura e instalações); rodovias (promoção, investimento e operação de rodovias e de outras infraes- truturas); construção (desenho e construção de infraestruturas no âmbito de obra civil, edifi cação e construção industrial); e aeropor- tos (investimento e operação em aeroportos). É ela que opera o ter- minal 5 do aeroporto de Heathrow, em Londres. A Ferrovial Agroman, empresa referência no negócio da cons- trução, é reconhecida em nível internacional pela sua capacidade de projeto e construção de obras singulares em obra civil, edifi cação, indústria e, principalmente, em infraestrutura de transporte. No seu track-record histórico incluem-se obras que acumulam mais de 540 km de tú- neis, 20.100 km de es- tradas (incluindo 4.500 km de rodovias), 5.200 km de linhas de ferrovia (incluindo 1.000 km de ferrovia de alta velocidade) e 30.400 km de manutenção e reparação de estradas. A investigação, o desenvolvimento e a inovação são os catali- sadores do crescimento e do êxito da Ferrovial Agroman. A diversi- fi cação da empresa e os desafi os que enfrenta – os distintos tipos de projetos que gere, o alcance geográfi co dos mesmos, as equipes multidisciplinares e de grande diversidade cultural – formam o am- biente para fomentar a inovação. A Ferrovial Agroman marca presença no Brasil desde 2014 exe- cutando projetos de porte, como a duplicação da rodovia Regis Bit- tencourt no trecho da Serra do Cafezal, no Estado de São Paulo, na qual é contratada da concessionária Arteris. Parceria para continuidade empresa analisa oportunidades A Salini Impregilo, empresa italiana com mais de 110 anos de experiência no mercado global de engenharia — que lide- rou o consórcio responsável pelas obras de expansão do Canal do Panamá - acredita que pode ter uma parceira para dar continuidade aos projetos de infraestrutura greenfi eld no Bra- sil, aponta seu diretor comercial Massimo Guala. Segundo ele, a companhia global apresenta os seguin- tes diferenciais para concretizar isso: garantias bancária ou seguro garantia para completion da obra, para os bancos e investidores institucionais (principalmente que entraram no mercado brasileiro em novos leilões de concessão); linhas de fi nanciamentos com bancos multilaterais internacionais, para projetos de infraestrutura e saneamento (seja como EPC ou como investidor direto em concessões); regras de compliance restritas segundo parâmetros internacionais, para ser aplica- das localmente; e fl uxo de caixa positivo, não sendo afetada pela crise brasileira (95% dos novos empreendimentos estão espalhados no mundo). A empresa italiana tem atuação de quase 30 anos no mer- cado brasileiro, além da experiência de ter participado por mais de 15 anos como acionista e investidor em concessões de in- fraestrutura (Ecorodovias e a PPE-Ponte de Pedra Energética). A Acciona Infraestruturas informa ter participado de lei- lões, licitações e estudos em iluminação pública, gestão de resíduos, termelétricas e linhas de transmissão no País. O grupo espanhol acredita ter capacidade de prestar serviços como investidora, concessionária e “epecista” em projetos de infraestrutura, como rodovias, portos, ferrovias, mobi- lidade urbana, saneamento, transmissão de energia, entre outros. N a área de energia eólica, a Acciona Windpower, com- panhia dedicada ao fornecimento de turbinas eólicas, se uniu com a alemã Nordex no ano passado para atender o crescente mercado brasileiro dessa fonte energética. Desde que assumiu a concessão e operação da Rodovia Lucio Meira (BR-393), a Rodovia do Aço, Acciona já investiu mais de R$ 500 milhões e realizou cerca de 100 obras ao longo dos 200,4 km da estrada, como a duplicação da pista existente, contornos e variantes de centros urbanos, faixas adicionais, correções de traçado da pista, alargamento das pontes, pavimentação e segurança viária (sinalização, de- fensas e passarelas). No que se refere à área de construção, a Acciona é res- ponsável pelos lotes 4 e 6 do trecho norte do Rodoanel, na Grande São Paulo. O Lote 4 é onde ocorrerá a ligação entre o Rodoanel Norte e a rodovia Fernão Dias (que liga São Pau- lo a Belo Horizonte), uma das mais importantes do projeto. Já o lote 6 compreende a inter- ligação entre Rodoanel Norte e Leste e contará com uma alça para o Aeroporto de Guarulhos. 16 | | J u l h o /A g o s to 2017