Edição 562 Julho/Agosto revistaOE562_V2b_11OUT - Page 100

I n d ú s t r i a d e M á q u i n a s maior escavadeira sobre esteiras A Volvo Construction Equipment está lançan- do no Brasil a EC950EL, a maior escavadeira sobre esteiras da marca. Com um peso operacional de 92 t. É destinada princi- palmente para obras de infraestrutura e para mi- neração de médio porte. “É uma máquina com o DNA da Volvo: avança- da, com alta tecnologia e segurança e que oferece alta produtividade”, afirma Afrânio Chueire, presidente da marca na América Latina. Com uma caçamba de 5,6 m³, 27% maior que a da EC750DL, a nova escavadeira chega para atender as necessidades das empresas que trabalham com escavações massivas. Ela garante uma produtividade mais elevada nas operações que demandam grandes movimentações de terra ou que precisam de ciclos mais curtos e rápidos de escavação e carregamento. Com mais de 424kN de força de desagregação e 408kN de força de arranque do braço, é um modelo que tem a combinação perfeita de potência e estabilidade para suportar tarefas de grande capacidade nas aplicações mais difíceis. Multinacional nacionaliza trator A John Deere lança em janeiro de 2018 a linha nacionalizada de trator de esteiras, representando um investimento da marca de R$ 80 milhões. Mas a empresa quer ir além. “Temos um plano de longo prazo para o Brasil. Seguramente esta- mos avaliando a nacionalização de outros equipamentos. Por questões estratégicas, não podemos divulgar os próximos passos, mas certa- mente seguimos analisando possibilidades, pesando questões como demanda do mercado, viabilidade de produção e perspectivas para ex- portação. Sabemos que o Brasil continuará tendo um grande potencial e demanda por obras de infraestrutura e logística, que devem reaque- cer o mercado de máquinas e por isso temos essa estratégia de ter um portfólio premium amplo, para qualquer demanda”, afirma Roberto Marques, diretor de Vendas da John Deere Construção e Florestal. Centro de retroescavadeira A marca chinesa XCMG quer transformar o Brasil no centro de tecnologia de retroescavadeira no mundo. O presidente da empresa no Brasil, Cui Jisheng, diz que a fábrica da companhia em Pouso Alegre (MG) pode se transformar em polo de exportação global da máquina. “A retroescavadeira tem demanda no Brasil para todo tipo de obra, ao contrário da China onde o equipamento tem uso muito es- pecífico”, afirma. “Isso coloca o País numa condição especial”. A uni- dade industrial brasileira da XCMG é a única fora da Ásia. Para mostrar a importância da retroescavadeira em território na- cional, a empresa lançou recentemente o modelo XT870BR. Trata-se de um equipamento nacionalizado pensado para atender o mercado brasileiro, com mais eficiência e menor consumo. Na fábrica mineira, além de carregadeiras, a marca chinesa pro- duz pás-carregadeiras, escavadeiras, guindastes sobre rodas, rolos compactadores e motoniveladores. Recentemente, a empresa deu upgrade na sua linha de produtos nacionalizados, atendendo às novas regras de emissão de poluentes e agregando tecnologia aos equipamentos. Cui Jisheng conta que desde o ano passado a XCMG no Brasil tor- nou-se plataforma de atuação da empesa na América Latina. “Fize- mos investimentos de distribuição na América Latina, desenvolvendo também fornecedores nacionais”, diz. Segundo o executivo, a marca passou a ter cobertura de 18 a 20 estados no Brasil, com cerca de 30 revendas. “Estamos finalizando essa restruturação”, afirma. 98 | | J u l h o /A g o s to 2017