Detectives Selvagens 2- Medo - Page 58

Ana rita paiva II Temo, temo, não ser capaz, capaz de na falta de letras viver, mas acima de tudo, temo, temo não ser capaz me encontrar. Em tempos perdida, no desgosto perdida, na literatura me encontrei. Mas, tive medo de arriscar e com a literatura não me casei. Hoje, mulher de outro marido, continuo secretamente a literatura amar. Mas, será que um dia, se com ela me casar, será ela tudo aquilo com que todos estes anos sonhei? Morro de medo, anseio no sonho me perder, mas e se o sonho esse, não acontecer? Continuarei a sonhar, a literatura amar, e temer, que o sonho, não seja o sonho onde um dia sonhei viver. 58