Detectives Selvagens 2- Medo - Page 17

Red eyes, cold feet sei bem o que lhes chamar... Os maiores génios também foram inspirados por sonhos, porque me chamas doido? Logo tu que sabes que não saio de casa há quase um ano, que vens todos os dias trazer-me comida e fazer-me um pouco de companhia. És a única pessoa que não acha que morri. (emociona-se) Não podes ficar minimamente feliz com o facto de finalmente me estar a interessar por alguma coisa? Por ter dito que ia sair de casa e enfrentar o meu maior medo, para ir buscar as fotografias? Aparentemente, não. Chama doido ao teu irmão, novamente, Ana, vá lá. (Ana levanta-se e dá um passo na direcção de Rui, ficando estes a cerca de meio metro um do outro.) Ana Não sejas ridículo. Achas que também não tenho receio de andar na rua? De ser abordada por um desses inspectores que pululam de duas em duas esquinas a inquirir-me e a espetar-me aquele maldito instrumento no ouvido? Achas que não vivo constantemente em pânico com a ideia de um dia aquela geringonça começar a apitar e me levarem? Mas não é por isso que deixo de andar na rua, ou de cá vir saber de ti. (aproxima-se mais de Rui e coloca carinhosamente a sua mão direita 17