Date a Home Magazine | Jul / Ago / Set 2014 - Page 93

93

Entrevista | Arrendar Leiria Com Paixão | REGIÕES

mo ser um mau pai". O livro teve uma recetividade brutal, percorri todo o país na sua apresentação. Acabou por se tornar uma boa referência para ganhar mercado para a clínica “e-clips”.

A sua vida profissional e académica sempre coexis-tiu em simultâneo e em paralelo, como é feita essa gestão?

Desde os 15 anos que trabalho e estudo. É já um modo de vida e tenho o objetivo de ter dois em-pregos em duas áreas distintas, na psicologia e no marketing. Duas áreas que são complementares e que são a minha paixão.

O seu percurso profissional está muito ligado a instituições de solidariedade social e ao associa-tivismo, aconteceu naturalmente ou foi uma op-ção?

Antes de terminar a licenciatura em psicologia, já era presidente de associações juvenis, por isso o associativismo está presente em mim desde muito cedo, o meu pai também tinha criado associações e sendo a minha mãe professora fui-me direcionando mais para a parte educativa e social. A minha mono-grafia foi feita já como coordenador pedagógico de um centro educativo e fiz um estudo sobre as influ-ências dos valores sociais e morais nos jovens. As oportunidades foram surgindo dentro desta área e de momento estou a trabalhar na CERCILEI.

Comprou casa recentemente. A casa tem influência na sua vida? Que divisão é mais importante e por-quê?

Uma casa é importante para o ser humano como um ninho para os pássaros. É uma referência não só geográfica mas também emocional. A minha casa é o meu sossego, tem de ser simples para não trazer muitas preocupações. O terraço é o meu espaço de eleição, é a ligação do exterior com a casa, de certa forma sinto que estou protegido no exterior. É um laço afetivo e ao mesmo tempo um objeto de segurança.

O que pensa do conceito “Arrendar Com Paixão”?

Acho que é um grande conceito que faz a ligação de duas coisas importantíssimas nas nossas vidas, que são as emoções e a tomada de decisão. Sendo que para se arrendar uma casa é preciso tomar uma decisão e as decisões são tomadas com base em emoções. Paixão não é uma emoção mas é um senti-mento, ou seja, uma emoção mais um pensamento logo é uma emoção mais uma tomada de decisão. No fundo transmite o que deve ser o arrendamento, deve ser feito com paixão porque vamos estar envolvidos (com a casa) e é aquele espaço que nos vai proporcionar, o sossego, o bem-estar, o diverti-mento com os amigos e/ou família e é também onde vamos ter de gerir as nossas emoções, então faz todo o sentido aliar a tomada de decisão (arrendar/comprar casa) às emoções.

Sente que vive a sua vida com paixão?

Sim, mais que isso. Vivo a minha vida apaixonado. Apaixonado por momentos, pelo dia a dia. Sempre que abraço um novo projeto é com paixão e porque acredito nele, depois tento fazer a gestão do amor da melhor forma possível.