Date a Home Magazine | Jul / Ago / Set 2014 - Page 80

que cantam com paixão.

“Destino”, “Paixão” e “Alma” unem a sua vida como artista?

Tenho a sorte de trabalhar com a minha paixão, que é a música, Todos os trabalhos têm um sacrifício, se podermos fazê-lo com paixão tudo se torna mais fácil, já cantei com febre, gelada depois de um acidente toda dorida, no meio da rua e quando de repente começamos a cantar e dedicar aquela música àquela história, a paixão é tanta que nada se sente tudo é mágico.

Alma, é a palavra que define o fado, o fado não tem fronteiras, lá fora valorizam o fado, entendem o fado, choram com o fado e emocionam-se com o fado. É extraordinário. É uma música que vai direta de alma para alma

Foi então que decidiu deixar a psicologia para segundo plano?

Esta era uma oportunidade a não perder, Gustavo é um dos maiores produtores do mundo, esta sorte de ele ir ao Clube de Fado naquele dia e dizer-me que queria gravar um disco comigo, foi destino. Eu não sabia quem ele era e ainda por cima não era o meu dia de trabalho, tinha ido substituir uma fadista, cantaram 4 fadistas naquela noite mas como ele chegou tarde só me ouviu a mim. É aí que falo de destino.

Decidi então experimentar um ano para ver como corria, nunca mais parei, passaram 6 anos e cada vez tenho mais propostas nacionais e internacionais, e percebi então que “nasci para isto” hoje sinto-me completa, foi o fado que me chamou, um destino que estava marcado e eu não era capaz de ver exatamente por vir de um meio que não era óbvio.

Nasce o disco “Cuca Roseta”, porquê o seu nome?

Não tinha nome, não encontrava nada, queria contar a minha história na música, portanto fazia sentido que fosse o meu nome.

Neste segundo disco, a Raiz, o nome surgiu logo, eu sou muito espiritual, acredito que nada acontece por acaso, as coisas certas na altura certa.

Era uma afirmação, um início de um caminho, o fado é a natureza, é a essência pura natural. Neste disco não quis ter maquilhagem, porque queria passar a beleza interior e não a exterior, e o fado é isso mesmo é o interior de uma pessoa e mesmo sem capas, todas as pessoas tem uma beleza interior.

Rising Star, como se revê na posição de Jurada?

Também já estive desse lado, e é fundamental perceber o que eles sentem quando nós dizemos um

REGIÕES | Arrendar A Linha Com Paixão | Entrevista

80