Date a Home Magazine | Jul / Ago / Set 2014 - Page 69

tenham uma experiência agradável. Aqui é um bo-cadinho estar em casa. Passa-se a rua e está-se num jardim maravilhoso, depois há o jardim botânico. Não é só um espaço onde as pessoas compram, é um espaço onde estão.

Porque escolheram este nome?

Tem a ver com o que deveria ser uma embaixada, ajudar empreendedores e empresas que querem exportar a terem uma presença no país. Não pode garantir-lhes o sucesso, mas pode dar-lhe as condi-ções e informá-los. No fundo, é isso que estamos a fazer. É claro que tem um senão. As pessoas entram a pensar que é mesmo uma embaixada, porque tem um ar muito formal. Estamos a tentar neutralizar isso. Queríamos criar lá fora um quiosque turístico, de passeios de tuc tuc, e bicicleta.

Qual o objetivo com a criação do Espaço EntreTan-to?

O EntreTanto nasceu quando já se estava consolidar o espírito da Embaixada como produto português, mas apesar de serem mais portugueses que entram, são mais os turistas que compram. No EntreTanto não queríamos criar produto concorrente. Tenta-mos puxar mais pelo residente do bairro. É um espa-ço de venda casual, espontânea, sem grandes pre-tensões. Os serviços são uma área que temos de desenvolver ainda mais. Já existe o nails bar e o lingerie lounge. Na área da restauração temos a Liquid, os cartuchos do Príncipe e o Fluido. Na res-tauração os portugueses já têm orgulho em fazer bom serviço. Os chefs já são estrelas. Agora é pre-ciso que o sapateiro e a costureira também virem estrelas.

Qual a vossa participação no evento Príncipe Real Live?

O Príncipe Real Live foi a nossa primeira tentativa de criar uma identidade de bairro na área do comér-cio. Havia um bocadinho de animação e depois as lojas ficavam abertas até mais tarde. Acho que está na altura de repescarmos a ideia, porque agora já temos mais escala. Havia 30 ou 40 lojas que parti-cipavam. Em 7 meses juntaram-se mais 60. Algu-mas são pequeníssimas, mas têm a sua rede de con-tactos e trazem pessoas.

Devíamos criar hábitos. As lojas podiam ficar aber-tas até às 22h00 no verão, à quinta ou sexta feira. Depois é trabalhar com os lojistas para criarem animações. Talvez não seja preciso um evento tão ambicioso como o Príncipe Real Live, porque tem um budget significativo para o qual toda a gente tem

Entrevista | Arrendar Lisboa Com Paixão | REGIÕES

69