Date a Home Magazine | Jul / Ago / Set 2014 - Page 43

Aqui, a filosofia é observar o imobiliário como um puro ativo financeiro. «Consideramos que o merca-do imobiliário não é diferente de outro ativo finan-ceiro, o que tem é especificidades que o tornam único. Há, inclusive, quem o compare à arte por serem ativos muito específicos, ilíquidos e de difícil avaliação ou análise. Mas em Portugal nunca foi visto desta forma, eu diria até que é olhado como um ativo de consumo, o que não é verdade», afirma Gonçalo, o autor da plataforma.

No Out Of The Box presta-se, de forma gratuita, conhecimento técnico sobre o mercado imobiliário baseado em experiências pessoais e concretas. São desenvolvidos artigos e análises específicas sobre os mercados financeiros e imobiliários, escritos de forma original e exclusiva. «Um dos problemas do mercado imobiliário, na generalidade dos países, é a informação. Como não é um ativo cotado em bolsa, o que existe disponível é pouco e imperfeito. Por exemplo, se quisermos saber quanto vale um banco conseguimos, mas se quisermos saber quan-to vale um armazém, não sabemos. Existe um gran-de monopólio na prestação de informação ligada ao mercado imobiliário», afirma.

Um dos objetivos da plataforma é promover uma mudança na pesquisa e conhecimento do mercado imobiliário no nosso país, bem longe do que era feito até à data: «Tradicionalmente o research esta-va ligado aos feitos das próprias empresas ou com análises meramente quantitativas, numa ótica de “o preço subiu ou desceu”. Nós quisemos posicio-nar-nos como uma mais-valia dando voz a quem olha para o imobiliário como um ativo financeiro.» E foi assim que nasceram os associate thinkers, transformando o Out Of The Box numa espécie de máquina de pensamento imobiliário. «O meu obje-tivo foi trazer gente nova para o blogue, com outras ideias e formas de pensar. No fundo, foi fazer uma rutura com o tipo de posicionamento que existia. Não queria as pessoas que já escreviam, que toda a gente conhecia, e com as quais, na maior parte das vezes, eu não concordava com o que diziam. Para sermos iguais aos outros não valia a pena», diz o main thinker. Hoje já são 15, e todos diferentes entre si. «Temos mediadores imobiliários, proje-tistas, arquitetos, especialistas na área financeira, em investimento, gestão imobiliária, etc… E, apesar de não querer destacar uns em detrimento dos outros, parece-me importante referir que temos os contributos do Ricardo Pereira e do Bruno Lobo, como

como associate thinkers. Ambos trabalham no mer-cado imobiliário, mas no estrangeiro, o Ricardo em Londres, e o Bruno em Bogotá, e são portugueses com um expertise gigantesco. O que prova que nós exportamos conhecimento e quando estamos lá fora gerimos milhões de euros, com grande sucesso. São contributos absolutamente fantásticos», re-conhece.

O pontapé de partida para esta ideia inovadora foi dado em 2007, altura em que Gonçalo Rodrigues decide mudar de vida. Toma a opção pessoal, e familiar, de se despedir da pequena consultora ligada ao setor imobiliário, turístico e hoteleiro, onde era diretor, e ser pai a tempo inteiro. Depois de 10 anos de trabalho consecutivos sentiu, tam-bém, a necessidade de voltar a estudar e inscreveu-se no Master em Gestão e Finanças Imobiliárias, no ISCTE. «Em 2008, eu e o Pedro Rodrigues, especia-lista em ativos financeiros, e meu colega de mestra-do, tomamos a opção de desenvolver a Real Estate & Finance Newsletter, de produção trimestral e envi-

Conversas de Vão de Escada | Personalidades | REPORTAGEM

43