Date a Home Magazine | Jul / Ago / Set 2014 - Page 107

Entrevista | Arrendar Porto Com Paixão | REGIÕES

A bpm’s foi procurar alguém que soubesse comu-nicar a verdadeira expressão do Norte. Encontrá-mos Hélder Reis, um comunicador nato, querido pelo Norte e admirado por todos. Fomos perceber a paixão que o move pela sua querida cidade. O amor que transporta em cada palavra que comu-nica. Uma conversa espontânea, onde encaramos a verdadeira realidade da nossa cidade com tudo a que temos direito.

O que mais o entusiasma no Porto?

As gentes, o rio, os monumentos, a cultura de uma cidade em movimento. Gosto de irreverência do Porto. É uma cidade acordada para a vida que está a acontecer, e a acompanhar o ritmo da Europa. Não sinto o Porto acomodado.

O Porto é o Melhor Destino Europeu, ou o Melhor Destino do Mundo?

Honestamente, acho que não seja muito importante ser o melhor dos melhores…O reconhecimento internacional do Porto faz-se e os prémios chegam, mas o mais importante é que o Porto continue a ter uma visão de turismo otimizado, que a autarquia aposta cada vez mais no turismo, que os por-tuenses saibam tirar proveito da cidade, invistam no conhecimento. Fazer da vida turismo não basta abrir uma casa com uma decoração engraçada…é preciso conhecer a história da cidade, das gentes, viajar e ver como se faz nos outros países, para fazermos mais e melhor; isto para mim são os melhores prémios do mundo.

Qual foi o grande momento de mudança na cidade do Porto?

Não vejo o momento, vejo uma mudança progres-siva de há uns 6 anos para cá. Assim é que as mudan-ças sabem bem…vão acontecendo.

Sendo o Hélder uma figura pública, como se sente ao trabalhar no Porto?

Um abençoado. Que cidade. Tudo está sempre a acontecer no Porto. Gente nova, turistas, reabili-tação. Rio e luz. É mesmo um privilégio

Do tempo que passa no Porto, o que é que nunca pode faltar no seu dia a dia?

Uma coisa muito simples…andar nas ruas. Gosto de ver as pessoas, as montras, o que dizem os turistas. Receber a luz da cidade, a força do seu granito, olhar para cima, para os edifícios, as árvores, o céu que saúda a cidade.

Descreva o Porto em três palavras e tente justi-ficar?

Determinação, história e abraço. O Porto é uma cidade de convicção, oportunidades, a história prova a raça da gente da cidade: a determinação. Quem nos está a ler, investigue a cidade, há centenas de anos que o ADN do Porto é este, uma cidade que vence. Quem vem à cidade do Porto, sente-se em casa. Recebemos bem, gostamos de mostrar a nossa cidade. Confesso que que sinto que ainda há trabalho a fazer, as pessoas que vivem e fazem vida na cidade, tem de aprender que o sucesso de uma cidade passa pelo empenho indi-vidual de cada pessoa. Aprender línguas, investir na qualidade dos serviços, saber servir, e não baixar os braços. O turismo internacional cresceu 8 por cento no nosso país, significa muito dinheiro, não po-demos ver o barco passar.

Se pudesse, o que mudava no Porto?

Há muitos prédios abandonados na baixa, mas prédios com 20 anos e prédios com 100 anos. Não

107