Date a Home Magazine | Jul / Ago / Set 2014 - Page 104

Apesar de não ser mirense de gema, conquistou rapidamente os corações das gentes desta terra. Qual foi o segredo?

Penso que aconteceu muito naturalmente. Estou a viver em Mira há 17 anos e em momento algum senti que que era visto de forma diferente por ter crescido numa comunidade vizinha. Comecei a integrar-me e a interagir muito espontaneamente com as pes-soas até que os vários desafios foram surgindo. A verdade é que Mira me acolheu muito bem e isso conquistou-me completamente. É uma comunidade muito afável que sabe receber de uma forma única.

O que o apaixonou em Mira, além da esposa mirense claro?

Mira é de fato apaixonante, não só pelas potenciali-dades territoriais e turísticas, mas também pelo modo como as pessoas encaram e vivem a vida. Qualquer casa tem permanentemente a porta aberta, pronta para receber quem quer que seja, seja a que horas for e de forma a que nos sintamos real-mente bem. A verdade é que os mirenses levam a vida de uma forma fantástica e esse foi um dos prin-cipais fatos que me fez querer fazer parte desta comunidade e construir aqui a minha vida.

Como encara o desafio da reabilitação urbana no município de Mira?

Na verdade, este é um desafio que tem ocupado grande parte dos trabalhos desenvolvidos pela Câmara Municipal de Mira. Estão já apresentados alguns projetos com vista à obtenção de fundos comunitários e estão outros em preparação. Princi-palmente na Praia de Mira, onde se verifica um po-tencial turístico brutal, existe uma grande neces-sidade de reabilitar e rentabilizar ao máximo o local.

Quais as principais medidas para atrair o turismo para as praias da região?

A referida reabilitação urbana é importantíssima, bem como a qualidade ambiental das praias. É essencial que tenhamos uma boa praia, um mar de qualidade, mas também que possamos proporcio-nar às pessoas outras alternativas, como um turismo sustentável, um turismo de ambiente com contato direto com a natureza. Cada vez mais prezamos a saúde o que faz com que o turismo saudável seja cada vez mais requisitado.

O que considera ser mais relevante numa casa e quais os aspetos ou comodidades das quais não prescinde?

Numa casa penso que o conforto será o aspeto mais relevante, bem como o espaço exterior durante a época de verão que nos proporciona momentos deliciosos, como os de hoje, principalmente com os miúdos. O que não prescindo mesmo é uma boa sala, com um bom sofá para descansar um pouco quando durante o escasso tempo que passo em casa.

REGIÕES | Arrendar Aveiro Com Paixão | Entrevista

104